sábado, 29 de dezembro de 2007

Que 2008 venha com paz e saúde!!!!!!!!!!!!!!!!!!!



Em São João do Sabugi, tornou-se tradicional a comemoração na Igreja Matriz de São João Batista, na chegada do Ano-Novo. Os sabugienses permanecem no adro da Igreja Matriz, reunidos à espera do ano "novinho em folha", prestes a chegar. Alguns vestidos de branco, outros com champagne, todos com semblante renovado, riso cheio de esperança e crença num recomeço alegre, com ano de inverno, paz e saúde para todos. Quando a contagem regressiva chega ao final, anunciando a chegada do novo ano, uma chuva de fogos alegra o céu e a Filarmônica Honório Maciel faz um verdadeiro estrondo de acordes alegres, enquanto o povo se abraça, se confraterniza, dança, festeja!
Que Deus e Maria, Mãe de Deus, nos abençoe com um 2008 de paz e saúde. Que as dificuldades ultrapassadas em 2007 deixem, em cada um de nós, uma lição de fortalecimento na fé e que com o passar dos anos, nossos corações sejam renovados com mais amor, esperança e presença do Menino Jesus.
Como a champagne é bebida oficial do Reveillon, por mera curiosidade, deixamos aqui uma resumida informação sobre este "vinho espumante": O champagne ou champanhe é um vinho branco espumante mundialmente conhecido e produzido na região de Champagne-Ardenne, no Nordeste da França, cuja capital é Epernay através da fermentação da uva (uma espécie ou várias, de uva). Foi próximo a Epernay, no povoado de Hautvillers, que os monges Don Perignon e Don Ruinart, se esforçaram muito para domar os vinhos que fermentavam novamente na garrafa. Costumam classificá-lo como o "Rei dos Vinhos" e é produzido através da fermentação da uva (uma ou várias espécies de uva). Não há habitualmente celebração de vulto em que o champanhe não esteja presente, tendo tornado-se o vinho das festas; por excelência - (Fonte Wikipédia).
Um lindo Ano-Novo para todos nós!
Anna Jailma - jornalista e blogueira

Música da terra

Galopante

Ouvi o canto da nambu ecoar na terra
Taquari no pé da serra nasce como gente nu.
Soltei meu verso no galope dessa rima
Pra subir de serra acima
E descansar no mulungu.
De cima da serra avistei minha cidade
Cheia de felicidade como a flor do matury.
Saí correndo pela chã da ribanceira
Pra ver se dessa carreira eu visitava o Sabugi.
Bebi na literatura na fonte da travessia
Tomei sangue de poeta pra regar minha poesia.
Afinei minha viola pelo canto do sabiá
Pra poder assim cantar tudo que aprendi aqui
Ó mãe eu vou pra lá, Ó mãe me deixa ir,
Ó mãe eu vou morar em São João do Sabugi.
Ó mãe, oh! Que saudade, daqui eu tenho dó.
Ó mãe eu volto logo pro sertão de Caicó.
Ouvi cantar a seriema no serrado da caatinga
Bebi água da cacimba onde canta a juriti.
Sai por dentro sem perder de tino a veia
Andei mais de légua e meia pra chegar no Sabugi.
Asa branca cantou no ramo da catingueira
Choveu lá na cabeceira, trovejou do lado sul.
Ouvi o ronco do trovão preparou-se a natureza
Foi um sinal de beleza da flor do mandacaru.
Bem-te-vi cantou alegre quando me viu na estrada
Já bem perto da chegada jaçanã cantou também.
Fui recebido entre cantos e sonatas
Nos juremás dessas matas da terra que eu quero bem.
Sabiá na oiticica não cantou fora de hora
Eu puxei minha viola no refrão eu respondi.
Estou chegando eu sou filho dessa terra
Que fica no pé da serra de São João do Sabugi.


* Galopante é composição de Geraldo Anízio, que reside em Roraima; mas ele promete que em 2008 virá na terra sabugiense cantar e encantar com suas composições. Aguardamos com olhos, ouvidos e abraços abertos!


Anna Jailma - jornalista e blogueira

Despedida

Foto (albúm de família): tio Chagas Úrsula, nosso garimpeiro.
Em 27 de dezembro, tio Chagas Úrsula partiu para a Casa do Pai. Sua história de vida é entrelaçada com a Mina Quixeré. Ele é o menino que estava com tia Mariêta pastoreando cabras, quando ela percebeu o brilho diferente da sheelita no solo árido do Quixeré, dando início a uma época de garimpo e prosperidade na região, na década de 40. Acompanhou a chegada e a despedida da exploração de minério. Foi um dos principais colaboradores, em entrevistas, para a realização do livro Quixeré, de autoria da pedagoga Djanira Medeiros.
Nasceu em Santa Luzia, PB, terra de sua mãe Francisca Catarina, mas foi no Quixeré que ele viveu a infância, juventude, casou, constituiu família, foi garimpeiro e agricultor, fincou os pés e a alma. Trabalho e família são as palavras que mais traduzem sua vivência aqui na terra. Criou três filhos responsáveis, batalhadores e apaixonados pelo Quixeré tanto quanto ele. Sua “Chicó”, foi sua eterna namorada; com quem ele dançava forró pé-de-serra nas festas juninas.
Quando relembro tio Chagas, lembro-me dele passando com o gado, que não era muito, ou no sol escaldante do meio-dia indo do roçado para casa. Na segunda-feira, sua visita na minha casa era tradicional: “comadre Ermita, tem um cafezinho?”. E na mesa ele sentava, com um ar sereno, e começava a conversar com meu pai sobre o que mais gostavam: a vida no sítio.
Nos últimos anos, devido a doença de Alzheimer, tio Chagas vivia num mundo à parte, com o pensamento aparentemente distante ou inexistente. Partiu como a Mina Quixeré: deixando rastros de saudade.
Anna Jailma - jornalista e blogueira

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Mensagem de Natal!

Foto (Antônio Medeiros): eu, desejando-lhe Feliz Natal e Feliz Ano Novo


É Natal e aqui venho deixar uma mensagem especial a todos que passam por aqui, em especial aos sabugienses de coração; aqueles que se emocionam com a Serra do Mulungu e com os acordes da Filarmônica Honório Maciel, que ficam alegres com as notícias de chuva na terra sabugiense e que sentem vontade de chegar voando em cada festa da Terra de São João Batista.
À todos vocês, desejo um Natal iluminado e abençoado pelo Menino Deus! Que os corações permaneçam repletos de bons sentimentos como amor, humildade, serenidade, fé, esperanças e muita paz. Que o Menino Jesus, a doce Mãe de Deus e nosso Deus, Pai, nos fortaleça para alcançar nossos objetivos; nos dando saúde e paz por todo o Ano que se aproxima, fazendo com que possamos partilhar muitas alegrias e grandiosas realizações com toda a família e todos os amigos, nos novos dias.
Que venha um novo tempo, tempo de amor, paz e saúde!



Anna Jailma - jornalista e blogueira

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Comerciantes de São João e Ipueira reúnem-se neste sábado

Sábado, dia 15, haverá lançamento do Programa de Gestão Financeira para empresas – ASTECON, promovido pelo contabilista Valdick Paiva; que pretende, na oportunidade, implantar a Associação Comercial em São João do Sabugi, reunindo comerciantes de São João e Ipueira.
Na programação consta palestra sobre gestão administrativa, abordando estabelecimento de metas à serem desenvolvidas em determinados períodos, organização e manutenção dos negócios. Também haverá apresentação do Programa de Gestão, entrega de kits e encerramento com Coquetel.
O evento ocorre na Churrascaria O Ladeirão, às 19. A expectativa é que aproximadamente 70 comerciantes estejam presentes.
Anna Jailma - jornalista e blogueira

Mostra Artístico-Cultural ocorre em Caicó de 16 a 23/12

Foto (divulgação): Caicó, iluminada Caicó
Foto (Paulo Jr.): Complexo Turístico da Ilha de Sant'Ana, em Caicó



Foto (Anna Jailma): Filarmônica Recreio Caicoense, comemora 100 anos


Foto (Anna Jailma): Davina, artista plástica


Foto( Paulo Jr.): Anfiteatro da Ilha de Sant'Ana


Caicó realiza sua I Mostra Artístico-Cultural de 16 a 23 de dezembro, no Complexo Turístico da Ilha de Sant’Ana, reunindo artistas de diversos segmentos, como: arte plástica, música, capoeira, teatro e dança, entre outros.
Em 16 de dezembro, a partir das 18h, o Anfiteatro é palco do Cerimonial do Centenário da Filarmônica Recreio Caicoense; com palavra de abertura do prefeito Bibi Costa, lançamento do CD da filarmônica, bem como, do Selo Centenário, realizado pelos Correios e Telégrafos em homenagem a Recreio Caicoense. Encerrando o cerimonial, a Filarmônica Recreio Caicoense junto a outras filarmônicas da região, realizam concerto no anfiteatro.
A programação da Mostra Artístico-Cultural segue com Orquestra de Frevo do Ala-Ursa do Poço de Sant’Ana todas as noites, do dia 17 à 23/12, na Praça de Eventos da Ilha de Sant’Ana, a partir das 18h. As escolas municipais também irão integrar o evento com apresentações artísticas, no Palco B da Ilha, a partir das 19h, de 17 a 22/12. Os repentistas Cícero Manoel do Nascimento e Antônio Silva apresentam-se no Palco A, às 20h, nos dias 18 e 20/12.
O Grupo de Capoeira Terra do Sol apresenta-se no anfiteatro, às 21h, de 18/12 e o Grupo de Teatro Arte e Vida está presente no evento, às 21h, dos dias 19 e 22/12. O Coral do Sertão da Casa de Família comparece ao Palco B, às 20h, do dia 21 e o Coral Filhos do Sertão, está no Palco B dia 22, às 19h15. O PETI também comparece em 22/12, apresentando Dança Mariana e Toque Samba, no anfiteatro.
Todas as noites haverá vernissage dos artistas plásticos locais, exposições de artesanatos, livros, gastronomia e serviços de bar. Outros artistas também integram a Mostra, como Myckon Lennor Rossi, em 17/12, às 20h; Rômulo Alves dos Santos, em 19/12, às 20h e Marquinhos Carrera, às 21h, em 20/12; ambos no Palco A.
O encerramento da I Mostra Artístico-Cultural acontece dia 23, com Orquestra de Frevo do Ala Ursa, abrindo a noite às 18h; Irmandade do Rosário, às 19h, no Palco B; lançamento do CD Yossef – José, o Justo, dos músicos Totó Medeiros e Urbano Medeiros; e Filarmônica Recreio Caicoense, apresentando repertório de seu primeiro CD, a partir das 21h.






Anna Jailma - jornalista e blogueira

Semana da Cultura acontece em São João neste mês

De 21 a 23 de dezembro, ocorre a Semana da Cultura de São João do Sabugi: articulando ciência e arte, com ampla programação; também integrando festa de emancipação política do município. O evento ocorre através da Pró-Reitoria de Extensão da UFRN, com apoio da Prefeitura Municipal de São João do Sabugi, coordenado pelo historiador João Quintino Filho, estudantes universitários e professores.
A Semana da Cultura de São João do Sabugi irá abranger diversos aspectos da nossa rica cultura local. Programação:

21/12 - 19h30min – Clube Municipal: abertura, apresentação da Filarmônica Honório Maciel e lançamento do livro “Mestres do Seridó”.
22/12 - 8 h – Centro de Treinamento “Eunice Fonseca”: palestra “Inteligência Computacional” com Patrocínio Silva; palestra “Gastronomia Seridoense” com a nutricionista Célia Marcia Morais, às 10h e Concurso Gastronômico.
No horário das 13h30, na Escola Estadual Sta Terezinha, Oficina de Pintura, com o artista plástico Vandeberg Medeiros e no Centro de Treinamento Eunice Fonseca, Oficinas de Orientação Vocacional, com o psicólogo Flávio Azevedo e profª Grinauria Morais.
Na Praça Antônio Quintino de Araújo, às 20 h, apresentações de teatro, moda, poesia e música, através da Companhia de Teatro “Valmira Morais”, História & Moda (Evanuel Marques), Moda & Ecologia(João Quintino), poetas populares, Renato Marinho e artistas da terra.
23/12 - 5 h – Caminhada da Serra do Mulungu à Prefeitura Municipal; desjejum sertanejo na Prefeitura Municipal, às 7h; I Enduro de São João do Sabugi, às 8h; Exposição de Artes no Centro Pastoral, às 13h30; Missa de Ação de Graças pelos 59 anos de Emancipação Política do município, às 19h, na Igreja Matriz de São João Batista e, às 22h, Baile Popular da Emancipação, animado pelas bandas Grafith e Aryaxé.
Parabéns a todos que fazem nossa São João do Sabugi, em especial, aos que contribuem positivamente pela divulgação e preservação da nossa arte e cultura.



Anna Jailma - jornalista e blogueira

Semana da Cultura acontece em São João neste mês

Foto (Dercílio Morais): arte de Vandeberg Medeiros

Foto (Olívio Leal): um dos caminhos para chegar ao paraíso



Foto (Úrsula Catherine): nosso Grupo de Teatro Valmira Morais




Foto (Giordano Lucena): Praça Antônio Quintino, nosso palco de eventos


Foto (Anna Jailma): Filarmônica Honório Maciel integra os eventos culturais


De 21 a 23 de dezembro, ocorre a Semana da Cultura de São João do Sabugi: articulando ciência e arte, com ampla programação; também integrando festa de emancipação política do município. O evento ocorre através da Pró-Reitoria de Extensão da UFRN, com apoio da Prefeitura Municipal de São João do Sabugi, coordenado pelo historiador João Quintino Filho, estudantes universitários e professores.
A Semana da Cultura de São João do Sabugi irá abranger diversos aspectos da nossa rica cultura local. Programação:

21/12 - 19h30min – Clube Municipal: abertura, apresentação da Filarmônica Honório Maciel e lançamento do livro “Mestres do Seridó”.


22/12 - 8 h – Centro de Treinamento “Eunice Fonseca”: palestra “Inteligência Computacional” com Patrocínio Silva; palestra “Gastronomia Seridoense” com a nutricionista Célia Marcia Morais, às 10h e Concurso Gastronômico.
No horário das 13h30, na Escola Estadual Sta Terezinha, Oficina de Pintura, com o artista plástico Vandeberg Medeiros e no Centro de Treinamento Eunice Fonseca, Oficinas de Orientação Vocacional, com o psicólogo Flávio Azevedo e profª Grinauria Morais.
Na Praça Antônio Quintino de Araújo, às 20 h, apresentações de teatro, moda, poesia e música, através da Companhia de Teatro “Valmira Morais”, História & Moda (Evanuel Marques), Moda & Ecologia(João Quintino), poetas populares, Renato Marinho e artistas da terra.


23/12 - 5 h – Caminhada da Serra do Mulungu à Prefeitura Municipal; desjejum sertanejo na Prefeitura Municipal, às 7h; I Enduro de São João do Sabugi, às 8h; Exposição de Artes no Centro Pastoral, às 13h30; Missa de Ação de Graças pelos 59 anos de Emancipação Política do município, às 19h, na Igreja Matriz de São João Batista e, às 22h, Baile Popular da Emancipação, animado pelas bandas Grafith e Aryaxé.
Parabéns a todos que fazem nossa São João do Sabugi, em especial, aos que contribuem positivamente pela divulgação e preservação da nossa arte e cultura.



Anna Jailma - jornalista e blogueira

Partido Verde terá chapa majoritária em São João

Foto (divulgação): Damião, Dra.Aparecida e Valdick Paiva,
presidência do PV em São João.


O Partido Verde (PV) foi fundado em São João do Sabugi, no mês de agosto, tendo na presidência do partido o contabilista Valdick Paiva, a médica Aparecida Araújo e Damião, do Seapac. Na fundação do partido, foram muitos os representantes de associações da comunidade, comerciantes, líderes comunitários e funcionários públicos, que se filiaram ao PV.
Na época o partido afirmava que a decisão por uma chapa majoritária, iria depender de uma análise do “cenário político”. Atualmente, o partido já afirma que fazem opção pela chapa majoritária. Embora não haja citação de nomes dos candidatos, sabe-se que provavelmente a chapa seja encabeçada por um dos três que integram a presidência do partido: a médica Aparecida Araújo, Damião do Seapac ou pelo próprio Valdick, visto que já foram citados em pesquisa eleitoral realizada do mês de junho. “Tomamos decisão de, neste momento, trabalharmos uma candidatura própria. Estamos conversando com companheiros e componentes de sigla partidária e a gente tem dito desde o início que o PV foi constituído com pessoas sérias e que têm o pensamento de desenvolver o município de São João do Sabugi”, afirma Valdick Paiva, presidente do PV em São João.
O Partido Verde promete intensificar a divulgação do partido a partir deste mês, em todo o município e projetos estão em processo de elaboração. “Já temos alguns projetos para serem desenvolvidos no início do ano. Também iremos fazer uma ampla divulgação do PV em São João, inclusive, já temos uma campanha de marketing para ser lançada a partir deste final de semana na zona urbana e rural”, informa Valdick Paiva.

Anna Jailma - jornalista e blogueira

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Chuva na Serra do Mulungu e na terra de S. João

Foto: Anchieta França
Vou visitar São João
Porque é minha cidade
Consta em meus documentos
Como naturalidade
Quando está molhada a terra
Quando fica verde a serra
Quase morro de saudade

Versos de Egydio Alves de Medeiros (Egydio Januário)


Todo sabugiense sabe que a chuva aqui é diferente. Tem sabor de conquista, de bonança, de colheita, de festa! Quando a chuva vem na Serra do Mulungu, o povo acelera o coração; o homem do campo planeja início da plantação; as crianças pedem permissão aos pais para o banho de chuva, na bica da calçada.
Depois de muitos meses de calor quase insuportável, inclusive, chegando a ser anunciado 39° em rádios de Caicó, hoje chegou chuva na serra e na terra. Dezembro com chuva é Natal mais feliz, com promessa de bom inverno e boa colheita.
Há poucos dias recebi e-mail do Sr. Egydio Medeiros, da família “Januário”, residente em São Paulo, em que ele fala da saudade de São João, principalmente quando a terra está molhada e a terra está verde. Eu respondi para ele, que na primeira chuva eu colocaria seus versos aqui. Promessa cumprida, Sr. Egydio: a chuva chegou e sua poesia aqui está, para contemplação e comemoração dos filhos da terra.

Anna Jailma - jornalista e blogueira

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Festa de Santa Luzia ocorre em São João


Desliza lépida/singra serena/corre fagueira/gentil querena
Vai voa intrépida/que a brisa amena/alvissareira/suave te acena
Vai que te guia/a protetora/Santa Luzia/Santa Luzia...
No céu tão límpido/a lua brilha/e o mar encanta/Que maravilha
Murmuro quérulo/instante quase/a minha santa/a ingênua frase
Sempre me guia/a protetora/Santa Luzia/ Santa Luzia...
Nesta segunda-feira, iniciou a Festa de Santa Luzia, em São João do Sabugi. A programação religiosa iniciou às 17h, com procissão de abertura, hasteamento da bandeira, palavra de abertura e benção do Santíssimo Sacramento, com Pe. Janilson Alves, administrador paroquial.
Haverá novenas nas residências de famílias sabugienses, de 04 a 09 de dezembro. O tríduo de novenas será celebrado na Igreja Matriz de São João Batista, de 10 à 12 de dezembro; e dia 13, ocorre Missa Solene às 10h e Procissão de Encerramento, às 16h30.
Em São João do Sabugi, a Festa de Santa Luzia está vinculada a história de filhos da terra. Segundo consta no folder de programação da festa, há 12 anos, a filha do Sr. Jessi de Assis Dantas sofreu de enfermidade na visão e seu pai, Sr. Jessi, pediu a intercessão de Santa Luzia, para a cura. O pedido foi atendido e em agradecimento, ele fez a doação de uma imagem de Santa Luzia para a Igreja Matriz de São João Batista; passando a ser celebrada a Festa de Santa Luzia na nossa paróquia, como forma de louvor e agradecimento a protetora da visão.
Na programação social consta Leilão da Festa, em 13 de dezembro, após a procissão e Festival de Prêmios, em 16 de dezembro.
A Festa de Santa Luzia é organizada por Zélia Fernandes. Doação para leilão da festa deve ser entregue a Zélia Fernandes, na sua residência, ou na Casa Paroquial.
Para abrilhantar a festa, a Filarmônica Honório Maciel se faz presente durante a festa e neste ano, temos a boneca da festa Ana Maria Lucena (filha de Radilson Lucena e Mª da Conceição Lucena) e um Festival de Prêmios, que já está com cartelas à venda, ao preço de R$ 2,00.

Programação das novenas de Santa Luzia, às 19h:
04/12 – Residência de Luzia Cabral ( R. Pe. Joaquim Félix)
05/12 – Residência de Judite Noberto (R. José Permínio)
06/12 – Residência de Francisca Nogueira (R. Basílio Gorgônio)
07/12 – Residência de Julieta Medeiros (R. Prof. Manoel Martiniano)
08/12 – Residência de Severina Lourenço (R. Prof. Manoel Martiniano)
09/12 – Residência de Carminha Morais (R. Prof. Antônio Carlos)
10, 11 e 12/12 – Novenas celebradas na Igreja Matriz de São João Batista
Anna Jailma - jornalista e blogueira

sábado, 1 de dezembro de 2007

Pensamento Jovem IV - Ser jovem




Ser jovem independe da idade, do passar dos anos. Ser jovem tem vínculo direto com a capacidade de sonhar de cada um, com a forma que enxerga o mundo, com a garra ao enfrentar dificuldades, com a vontade de evoluir, com a criatividade, com a alegria que carrega nas suas expressões e ações do dia-a-dia.
Ser jovem é ser mutante, é movimento, ação, coração, sonho, magia, esperança de dias melhores. Uma linda música de Ivan Lins e Victor Martins pode nos fazer refletir sobre a nossa capacidade de viver a juventude, de ser jovem eternamente, independente do tempo. Ser jovem só “depende de nós...”

Depende de Nós – Ivan Lins/Victor Martins

Depende de nós
Quem já foi ou ainda é criança
Que acredita ou tem esperança
Quem faz tudo pra um mundo melhor
Depende de nós
Que o circo esteja armado
Que o palhaço esteja engraçado
Que o riso esteja no ar
Sem que a gente precise sonhar
Que os ventos cantem nos galhos
Que as folhas bebam orvalhos
Que o sol descortine mais as manhãs
Depende de nós
Se este mundo ainda tem jeito
Apesar do que o homem tem feito
Se a vida sobreviverá...

Anna Jailma - jornalista e blogueira

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Netos do Sabugi IV - Cláudia Queirós



Fotos (albúm de família)

Cláudia de Medeiros Queirós é filha de Arnaldo Queirós e da sabugiense Antônia Medeiros (conhecida em São João como “Toinha de Sérvula”). Nascida em Soledade, PB, Cláudia cresceu ouvindo histórias sobre São João do Sabugi; incluindo lendas, figuras folclóricas da cidade, fatos inusitados, retratos da cultura popular da terra. “São João representa para mim, parte da minha história, porque é a vida da minha mãe, é a história de amor dos meus pais e muito da história de painho também, de trabalho, de bares. Na minha vida particularmente, São João é um canto de repouso, é um celeiro de cultura, é um lugar abençoado, São João é um lugar especial”, destaca Cláudia.
As histórias que Cláudia ouvia eram tantas que quando morava em Soledade e visitava São João, ela fazia questão de visitar todos os personagens dos “contos” que ouvia. E assim, se fez parte de São João do Sabugi, conhecida por todos, amiga dos sabugienses.
Reside em Caicó há 7 anos, as vezes aparece na terra da Serra do Mulungu “dando o ar de sua graça”. Católica, universitária do curso de Teologia e integrante da Renovação Carismática Católica, quando visita a terra sabugiense também se faz presente na Igreja Matriz de São João Batista. Quando fala da presença de Deus, ela é enfática: “Deus é a minha vida. Esses dias falei isso a alguém, porque Ele não é aquele Deus do céu, que as pessoas falam; mas, é o concreto em mim. Não consigo separar o Deus das minhas orações e minha vida à parte. Ele está em cada pequena coisa na minha vida e não tenho como não acreditar; porque Ele é minha razão maior de viver e de suportar os trancos da vida”, diz Cláudia.
Tratando-se de sonhos, Cláudia afirma que Deus realiza todos os seus sonhos, mas, pensando num especial, que atenda a toda humanidade, ela cita a cura definitiva do câncer. “Esse negócio de sonho é complicado, porque eu não sonho muito (risos). Acho que meu sonho hoje não é particular, pois, Deus sempre realiza os meus pequenos sonhos. Meu sonho hoje seria a cura do câncer no mundo, porque tenho me assustado com o número de pessoas que temos perdido com esta maldita doença”, conclui.
Cláudia é uma neta do Sabugi, paraibana, filha de sabugiense, e muito bem adotada por todos os filhos desta terra.



Anna Jailma - jornalista e blogueira.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Adeus, primo...


Hoje, São João do Sabugi vive mais um dia de despedida dolorosa: faleceu em Natal, um sabugiense que pertencia a família de todos nós, Ivo Cavalcanti, o primo Ivo.
Ivo era um sábio de coração. De tão simples e fraterno, se fez primo de todos e para ele todo amigo era familiar, era seu “primo”. Sabugiense de corpo e alma, prestigiava e amava as coisas da terra, principalmente o antigo Bloco da Mala e a Filarmônica Honório Maciel.
Foi vereador na nossa cidade, quando nem havia pagamento de salário para isso e era um comerciante acolhedor, que atendia seus clientes sem qualquer distinção. O sentimento de igualdade era uma de suas características mais fortes e quanto mais “primos” ele pudesse ter, melhor...Assim, sua família era integrada por todos os filhos da Serra do Mulungu, do Rio Sabugi, do nosso pedaço de chão sertanejo, que é nossa terra São João.
Quando comprou um sítio perto do Quixeré, sítio de meus familiares, Ivo fez questão de ir até lá, visitar as pessoas e dizer que era vizinho. Ele já conhecia todos da família, mas sentar na mesa de cada um e conversar sobre a vida no sítio, era para ele uma fonte de alegria. Ele tinha a sabedoria de encontrar felicidade nas coisas simples da vida.
Hoje, estamos unidos em oração, solidários a seus familiares; pedindo a Deus o conforto e o fortalecimento na fé. Sua caminhada até o céu será serena, encontrando a plenitude da paz espiritual e certamente, um arco-íris irá iluminar seus passos, anunciando que o céu está em festa.
Aqui ficamos primo, com sua lembrança amiga preservada no coração; porque, como canta Milton Nascimento, “amigo é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito, dentro do coração”.



Anna Jailma - jornalista e blogueira.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Homenagem Póstuma


A fé é como uma bússola que direciona os navios incertos para o mar da serenidade. Neste momento de despedida, é a fé que nos fortalece, para a continuidade de nosso cotidiano, entregando a Deus os nossos passos e tendo a certeza da existência da vida eterna, na Casa do Pai.
As pessoas boas não morrem, ficam encantadas”, disse Guimarães Rosa. É assim, encantada, que permanece nossa Bibiu Galvão. Seus gestos e seu riso estão encantados e podem ser vistos em cada criança e em cada coração aberto, desta terra sertaneja.
Sua despedida nos remete a complexa mistura de pranto e riso. Nosso pranto é de dor e de saudade mas a lembrança mais forte que Bibiu nos deixa é de riso, de alegria, de felicidade.
A alegria de Bibiu sempre foi intensa em todos os momentos e ela soube deixar entre nós a marca de uma personalidade ímpar, inesquecível. Será lembrada por todos os sabugienses, porque soube ser amiga de todas as gerações, desde a criança até o idoso; e alegria de viver, foi sua maior lição deixada aqui na terra.
Como integrante do Apostolado da Oração do Sagrado Coração de Jesus, Bibiu foi exemplar. Ingressou e permaneceu atuante até os nossos dias, participando inclusive, dos Congressos do Apostolado da Oração, em outras cidades do Seridó. Também em reuniões da associação, na Festa do Coração de Jesus, Bibiu foi testemunho de fé, amiga de todos os sacerdotes da nossa Paróquia, atuante e fervorosa, exemplo até mesmo para as zeladoras mais antigas do Apostolado.
Bibiu, siga em paz, segura na mão de Deus! Seja acolhida pelo Menino Jesus e pela Mãe do Céu. Sua missão foi cumprida e sua lembrança está eternizada em nosso coração.
P.S esta mensagem, com pequenas alterações, também feitas por mim, foi lida no sepultamento de Bibiu Galvão, por D. Eliene Medeiros, como homenagem de D. Eliene e do Apostolado da Oração; em 26/11/2007.


Anna Jailma - jornalista e blogueira

domingo, 25 de novembro de 2007

Jipeiros integram-se na luta pelo meio ambiente

Foto (Anchieta França): Água nossa de cada dia...
No primeiro semestre deste ano a Trilhamiga lançou projeto, levando jipeiros natalenses para conhecer “in loco” as nascentes dos rios que banham o território do Rio Grande do Norte. Agora em novembro, o engenheiro agrônomo José Procópio de Lucena, integrou-se neste projeto; em função das expedições que pretendem inspecionar as fontes primárias do Assu e do Seridó, ambas situadas no vizinho Estado da Paraíba.
Os jipeiros natalenses pretendem fazer uma expedição nas nascentes dos rios Piranhas e Seridó, para verificar as condições ambientais. O projeto tem apoio do Instituto de Gestão de Águas do Rio Grande do Norte (IGARN) e já levou os integrantes para as nascentes do Pitimbu e Pontegi, provocando mobilização junto aos órgãos públicos para combate das agressões ambientais nestas nascentes. Para o próximo mês, o grupo programou visita ao Maxaranguape, em 09 de dezembro, contando com presença do IGARN E IDEMA, além de outras entidades que trabalham em prol do meio ambiente.
José Procópio há anos que vem integrado na luta pelo meio ambiente na região Seridó. “Esta grave questão já produziu muitas discussões e quase nenhuma solução concreta. Há evidente conivência dos órgãos ambientais, ministério público, gestores públicos, instituições diversas, empresários, sociedade e indivíduos a favor deste modelo preverso. Total desrespeito a constituição e a lei de crimes ambientais ou Lei da Natureza-Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998”, diz o engenheiro José Procópio.
Em e-mail enviado aos ecologistas do Seridó, José Procópio, comenta a importância da participação coletiva em prol do meio ambiente. “A Lei Ambiental brasileira é boa, mas, para funcionar, todos devem participar da sua implementação, seja através de denúncias ao IBAMA, ao órgão ambiental do Estado, ao Ministério Público, através do exercício diário dos direitos de cidadão. A Constituição garante que o meio ambiente ecologicamente equilibrado é bem de uso comum do povo e que incumbe ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”, destaca.
Sobre a região Seridó, ele comenta o conceito do Plano de Desenvolvimento Sustentável e levanta indagações. “Temos o Plano de Desenvolvimento Sustentável do Seridó, que é o processo de mudança social e elevação das oportunidades sociais, compatibilizando, no tempo e no espaço, eficiência e crescimento econômicos, equidade social e conservação ambiental. Dar pra acreditar neste conceito? Afinal, pra serve o Plano?” questiona Procópio.


Anna Jailma - jornalista e blogueira

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Tem circo, sim "sinhô"




Em São João do Sabugi, chegou hoje o Circo São Luiz, vindo de Pernambuco. O circo já passou por Caicó e agora chegou a São João, prometendo 31 atrações envolvendo palhaços e malabaristas. Estão armados nas proximidades do Clube Municipal e começam a apresentação circense amanhã, sexta-feira.
Conforme divulgação do circo, há espaço para 2 mil pessoas, sendo que o circo não usa arquibancada e tem cadeiras para a toda a platéia. Sua permanência em São João do Sabugi irá depender da procura, podendo passar três ou mais dias por aqui.
Assistir atrações circenses pode ser uma boa opção para distrair. Se tiver os tradicionais vendedores de picolé, sorvete e pipoca por lá, melhor ainda.
Lembro que na minha infância, eram muitos os circos que passavam por aqui e eu sempre lá, na arquibancada, muito atenta aos palhaços, aos malabaristas e apresentações de danças. Hoje nem sempre aparece circo por aqui, quando aparece merece ser prestigiado.
Sejam bem-vindos, artistas da alegria!


Anna Jailma - jornalista e blogueira.

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Dia da Consciência Negra

Foto (divulgação): Igualdade - os gêmeos Kaydon e Laydon Richardson, nascidos em 2006, em Middlesbrough, no Reino Unido, Inglaterra. (www.newsblog.com.br em 25/10/2006)

O Dia da Consciência Negra é celebrado em 20 de novembro no Brasil, dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. O Dia da Consciência Negra procura ser uma data para se lembrar a resistência do negro à escravidão de forma geral, desde o primeiro transporte forçado de africanos para o solo brasileiro, em 1594.
Algumas entidades como o Movimento Negro organizam palestras e eventos educativos, visando principalmente crianças negras. Procura-se evitar o desenvolvimento do auto-preconceito, ou seja, da inferiorização perante a sociedade. Outros temas debatidos pela comunidade negra e que ganham evidência neste dia são: inserção do negro no mercado de trabalho, cotas universitárias, se há discriminação por parte da polícia, identificação de etnias, moda e beleza negra, etc. (Fonte: Wikipédia)

"Você ri da minha roupa/Você ri do meu cabelo/Você ri da minha pele/Você ri do meu sorriso/A verdade é que você,/ Tem sangue crioulo/Tem cabelo duro/Sarará crioulo..."

(Olhos Coloridos – cantado por Sandra de Sá)

Hoje, dia 20 de novembro é o Dia da Consciência Negra. Ter consciência negra é antes de tudo assumir que é negro, reconhecer sua identidade, identificar-se com a rica história e cultura que circunda a raça negra.
Ser negro é ser reflexo de uma luta por liberdade e igualdade, é ter uma cultura que atravessou mares, em navios negreiros;vencendo algemas, troncos e chicotes, espalhando-se por todos os recantos e nos mais variados aspectos: nas comidas, nas danças, na música, no vestuário, nas expressões do riso e do olhar, na coragem, na perseverança, no timbre da voz...
O negro tão bem expandiu sua história e sua cultura, que até mesmo os que o discriminam tem nos seus hábitos o reflexo da raça negra; incluso nas refeições diárias, na música que gosta de ouvir, nas danças, nos acessórios que usa e em tantas outras coisas que circundam nossa vivência. Ser negro é lindo e universal!


Anna Jailma - jornalista, blogueira e negra

Será que sai???



Foi publicado em blogs da região Seridó: “No mapa de reconstrução de rodovias – obras em andamento do Governo – consta com data de 31 de Agosto de 2007, que a rodovia 118, que liga Caicó ao trevo que dá acesso ao Distrito da Palma e São João do Sabugí está em construção. Diz até o percentual do que já foi feito: 7% do serviço. Um verdadeiro absurdo. Pois, nada foi feito até agora.Isto sim é uma obra FANTASMA! Valor da obra: 335 mil 338 reais e 31 centavos”.
O interessante disso tudo é que o fato foi noticiado em blogs e comentado na Imprensa da região, entre os dias 15 e 16 deste mês...hoje já teve quem avistasse homens fazendo medições no trecho da estrada...Hummm...será que vão fazer o serviço agora? Em outro blog do Seridó, data de 19/11, já foi divulgado informação, com base em entrevista do engenheiro Gledson Maia, diretor do DER em Caicó, dizendo que a empresa responsável pelas obras será a Delta Construções e que a informação sobre 7% do asfalto concluído pelo Governo foi um "mal entendido" ou mesmo "um erro de digitação do site". Também é afirmado que no máximo dia 22, as obras serão iniciadas no trecho que liga Caicó à Palma.
Oh coisa eficiente é a liberdade de expressão misturada com a indignação do povo e uma imprensa sem mordaça.
FONTES:
PB: Essa saiu - Ah, ao contrário do trecho Caicó-Palma e São João do Sabugi, a estrada que liga Ipueira à Samamede, PB, finalmente está concluída; asfaltada. Dizem que ontem, até os trabalhadores da estrada comemoravam quando os motoristas passavam. Agora, certamente o fluxo de transporte passando por São João do Sabugi irá aumentar, visto que, é uma nova opção na ida para Patos, PB. Mas, lá foi Cássio...

Anna Jailma - jornalista e blogueira

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Poesia da Terra - Por Egydio Medeiros





Recebi via e-mail, uma poesia de Egydio Alves de Medeiros, também um "Januário", residente em São Paulo, SP. A poesia "São João do Sabugi" foi escrita por Egydio, em dezembro de 2005 e relembra momentos da seca sertaneja quando o cardeiro é utilizado como alimento para o gado. Sua memória poética também registra o período de inverno, com açudes cheios, mato verde e cheiro de chuva na terra molhada. Finalizando, Egydio cita sua trajetória na terra da garoa, capital paulista, onde o poeta tornou-se bombeiro, contruiu família e lá continua...Como o grande Manuel Bandeira, Egydio também tem sua "Pasárgada", sua São João do Sabugi, sua terra natal.

Anna Jailma - jornalista e blogueira


Foto de Anchieta França: Serra do Mulungu e Rio Sabugi
Fotos de Dercílio Morais: Serra do Mulungu e cactus; e paisagem de pote na parte interna da casa de taipa montada no São João de 2005 e 2006
Fotos de Egnaldo Medeiros: paisagem da Barragem das Carnaúbas
São João do Sabugi


Eu vou lá para São João
Sou parente do prefeito
Tem no seu nome, Galvão
Por quem tenho grande respeito
Mas é Brito de Medeiros
Parente de qualquer jeito

Períodos de sofrimento
Que tanto memorizei
No tempo das vacas magras
Até cardeiro eu plantei
Mas é minha Pasárgada
Já fui amigo do rei

Lá nas terras Sabugi
Tem coisas que eu muito amei
Que recordo com saudade
Nunca mais esquecerei
Fica na minha memória
Como passagens de glória
Mato verde, Açude cheio

Eu fui embora pro sul
Percorri imensas trilhas
Parei aqui em São Paulo
Viajei por muitos dias
Foi a chave do sucesso
Construí grande família

Aqui escolhi bombeiro
Como minha profissão
Aprendi amar o próximo
Foi minha dedicação
Ser bombeiro é ser humilde
Tenho muita gratidão

Egydio 19/12/2005

sábado, 17 de novembro de 2007

Balaio Vermelho...e porreta!

Foto de V.Bice

Foto : Pedro Moreira

BALAIO PORRETA 1986 n° 2161 Rio, 9 de novembro de 2007

http://balaiovermelho.blogspot.com/

Quem me conhece sabe que adoro poesias e hoje, mais uma vez, fui mexer no balaio que além de belas poesias, conduz belos textos, dicas de livros e cinemas, ricos comentários e lindas fotografias...É um balaio que mistura o que melhor tem na alma de cada um; em especial, na alma daqueles que quebram redomas, fogem do marasmo e vivem! Como disse Boris Pasternak, poeta e romancista russo, "não são as revoluções nem os motins que abrem a estrada para dias novos e melhores, mas a alma de alguém inspirada e em chamas". Então, se você é capaz de assumir uma alma inspirada e em chamas, visite o Balaio Vermelho, blog de Moacy Cirne...Mas se você lááá no íntimo, tem vontade de romper fronteiras, mas falta-lhe coragem...também visite o Balaio. Quem sabe assim, você levanta a mãozinha e quebra a redoma que o (a) impede de voar. O Balaio é liberdade, cultura e viagem...
P.S Escolhi estas fotos porque me identifico com ambas. Encontre seu espelho por lá também.


Anna Jailma - jornalista, blogueira e visitante assídua do Balaio.

Perfil Sabugiense IV - Suzete Medeiros


Foto (albúm de família): Suzete aos 04 aninhos, em São João do Sabugi
Suzete Medeiros nasceu em São João do Sabugi, é filha de Maria do Céu e Joãozinho Poroca. Por aqui ela brincou de barra bandeira e fez amizades que permanecem até os nossos dias.
Para definir Suzete em três palavras, eu diria: família, emoção e alegria. Quem a conhece enxerga com facilidade uma luz de estrela que irradia de seu espírito acolhedor e sereno. Modesta, no questionário abaixo, ela diz que pretende tornar-se uma pessoa evoluída espiritualmente; o que certamente irá fazer Suzete levitar literalmente, pois, quem a conhece sabe: Suzete já tem um espírito iluminado e evoluído. Conheçam Suzete!
Nome: Maria Suzete de Medeiros Costa
Estado Civil: Casada
Filhos: Mariana e Gustavo
Mora em: Caicó RN
Signo: Peixes
Cor: Verde
A família na sua vida: Meu porto seguro
Sua característica principal: Coração muito grande, cabe todo mundo (risos)
Lembrança da infância: As brincadeiras de barra bandeira nas ruas de São João do Sabugi
Amigo (as) de todas as horas: Minhas irmãs, Suzana e Suerda Medeiros.
Sonho realizado: Ser mãe
Pessoas especiais: Todas que amo, que por sinal, são muitas...
Pessoa que admira: Meu irmão Bastinho, pela sua determinação, força de vontade de viver e seu incomparável bom humor.
Uma experiência que marcou: Todo o processo da doença da minha mãezinha, que a levou para o céu.
Um medo: Perder as pessoas que amo. É muito doloroso, já perdi algumas.
Planos para o futuro: Me tornar uma pessoa evoluída espiritualmente
Um lugar especial: Minha casa
Deus na sua vida: A base de tudo
Um livro que leria novamente: O Primo Basílio e Violetas na Janela.
Música especial: "♪♪Não se admire se um dia um beija-flor invadir ♪♪a porta da sua casa te der um beijo e partir... ♪♪Fui eu que mandei o beijo que é pra matar meu desejo ♪♪ faz tempo que não te vejo, ai que saudade de ocê... ♪♪”
Um CD que gosta de ouvir: Todos de Caetano Veloso
Onde São João do Sabugi deve melhorar? Como não resido mais em São João, fica difícil dizer, mas acredito que a Saúde e Educação precisam melhorar em todo o país e valorização da cultura de cada comunidade.

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Longe de Casa IV - Elisa Helena




Fotos (albúm de família)

Elisa Helena de Medeiros Costa é uma sabugiense que reside em terra distante, há muitos anos. Ela reside em São Paulo, SP, desde 1959, onde casou-se e tem duas filhas. De São João do Sabugi, ela guarda lembranças da infância, como o banho de açude no Sítio Carneiro e sempre obteve notícias da terra natal, através de "Edgar Januário", seu irmão; também residente em São Paulo, mas, que sempre esteve visitando a terra natal.
Atualizada, antenada com as novas tecnologias, ela também obtém notícias daqui através da internet, pelos blogs sabugienses e pelo orkut; nas comunidades dedicadas aos filhos da terra que estão ausentes e aos amantes da Serra do Mulungu. Vale destacar que na eleição das 7 maravilhas do RN, Elisa Helena esteve integrada, junto ao irmão Edgar, fazendo campanha por votos para a Serra do Mulungu, entre familiares e amigos em São Paulo.
De um amor incondicional pelos que a rodeiam, Elisa transmite aos irmãos, em especial a Edgar, todas as notícias de São João do Sabugi. "A família para mim é um tesouro dado por Deus", diz ela. Paciente, alegre, amorosa, muito próxima aos familiares, quando indagada sobre um sonho realizado, ela enfatiza a independência das filhas: "A vida é um eterno realizar de sonhos, porém um que me realizou foi ver minhas duas filhas com sua independência financeira"destaca. Com olhar brilhante e riso sereno, ela transmite coração amplo, acolhedor e quando trata-se de citar sabugienses que admira, ela não pensa duas vezes:"meus pais, pela vitória de criar e educar para o mundo nove filhos úteis a nossa sociedade".
São Paulo, a terra da garoa, é para Elisa um lugar especial. Foi na capital paulista que ela constituiu família e trilhou o caminho de seu crescimento profissional, bem como, o crescimento de seus filhos. Por gostar de conviver, de trocar idéias e compartilhar bons momentos no círculo de amizades e na família, quando fala em medo, ela resume numa palavra: "solidão". Sobre o que mudaria em São João do Sabugi, ela aponta, com inteligência, a necessidade de saneamento: "apesar de pouco freqüentar São João do Sabugi ( por falta de oportunidade ) notei a falta de saneamento".
Com uma juventude permanente, que brota de seu íntimo, Elisa Helena vive o presente intensamente, tendo Deus presente em todos os seus atos, vivenciando entre os seus a troca de bons sentimentos, principalmente o companheirismo, a atenção, o carisma que vem da terra sertaneja, das raízes fecundas do Seridó.
Elisa Helena Medeiros da Costa, está "longe de casa"; mas, muito perto pela linha do coração.
Anna Jailma - jornalista e blogueira

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Juiz brasileiro é exemplo na guerra contra o tráfico

Foto (divulgação): Juiz Odilon dorme em colchonete, protegido por agentes federais
O juiz Odilon de Oliveira, de 56 anos, é exemplo para o Brasil. O juiz vive sob a proteção de sete agentes federais devido ser jurado de morte pelo crime organizado. No período de um ano, ele condenou 114 traficantes a penas somadas em 919 anos e 6 meses de cadeia, também confiscando seus bens. Hoje, o juiz Odilon mora no Fórum de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul e todas as noites, estende o colchonete no piso da sala, puxa o edredom e dorme, sob a vigilância atenta dos agentes federais.
A vara de Ponta Porã, divisa com Paraguai, é considerada porta de entrada do tráfico de drogas no país. Em 12 meses, o juiz Odilon confiscou dos traficantes 12 fazendas, num total de 12.832 hectares, 03 mansões(uma delas avaliada em R$ 5,8 milhões), 03 apartamentos, 03 casas, dezenas de veículos e 03 aviões. O juiz visita a família escoltado pelos seguranças e quando precisa cortar o cabelo, usa colete à prova de bala e a constante presença dos agentes. Ele poderia optar em ser transferido e sair do alvo dos traficantes que o ameaçam constantemente, mas, faz opção pelo batalha contra o tráfico, favorecendo a Justiça. São exemplos como este, que nos faz acreditar num Brasil melhor.
Mais informações sobre o trabalho do juiz Odilon de Oliveira, você pode observar no blog http://www.valderiqueiroz.zip.net/ que é rico em informação e cultura.





Anna Jailma - jornalista e blogueira

Mundo Abstrato IV - Coragem


Coragem


A coragem é a fonte de nossas melhores qualidades. Quando falta, elas definham...Sem coragem não podemos se quer ser suficientemente prudentes.
É claro que devemos ponderar, refletir, calcular, pesar prós e contras; mas, em seguida, é preciso tomar uma decisão e agir, sem dar demasiada atenção à direção do vento ou às nuvens passageiras.

(Franz Lizt)

A coragem anda junto a escolha. Sempre repito que a vida é feita de escolhas e delas dependem nosso presente e futuro. Para se fazer a escolha você passa por vários processos, inclusive, o de ouvir a opinião de pessoas que julga importantes na sua vida, mas a escolha final é sua. A partir disso, surge a necessidade de ter coragem: coragem de não abrir mão da sua escolha, mesmo que para isso você precise discordar dos pensamentos de pessoas importantes na sua vida.
Como diz a música: "Nem por você, nem por ninguém, eu me desfaço dos meus planos, quero saber bem mais que os meus 20 e poucos anos..." É a coragem que ajuda a pesar os prós e os contras e é a escolha que define o que pesou mais para você.
Muitas pessoas crescem e morrem sem ter a coragem de optar por suas escolhas e depois, ao longo da vida, apontam para outras pessoas a responsabilidade por algo que deu errado na sua própria vida. Não é por aí...Se você optou em não enfrentar a decisão de alguém, se preferiu "sucumbir" sua opinião, então, esta foi sua escolha.
Nossa vida é uma conseqüência das nossas escolhas e da coragem de lutar por cada uma delas. Se acertar ou errar, cada um arca com as conseqüências das próprias decisões. É a lei da vida.


Anna Jailma - jornalista e blogueira.

Lembrança de Outrora IV - Quixeré

Foto (Anna Jailma): Casa do Alto

Foto (Anna Jailma): Capela de S. Sebastião


Foto (arquivo de Djanira): Bangalô do Quixeré

Foto (arquivo de Djanira): Túnel Fernando de Noronha, que hoje encontra-se soterrado

Foto (Anna Jailma): Barragem do Quixeré, ponto de encontro da família nos dias de hoje

Em lembrança de outrora registro hoje o Quixeré. Na verdade este sítio é registrado com nome de Lagoa do Alto, devido uma lagoa próxima a Casa do Alto, como é chamada a casa de meus avós paternos, João Ursulino de Maria e Francisca Catarina de Assis. Meu avô, João Ursulino de Maria, era filho de Úrsula Maria da Conceição e ficou conhecido como João de Úrsula e depois João Úrsula. Ele tinha outros irmãos, todos com sobrenome Ursulino, inclusive, Manoel Ursulino, que é o pai de Sr. Pedro do Bar. Já minha avó, Francisca Catarina de Assis, é natural de Santa Luzia, PB, onde residiu até casar-se.
A Mina de Sheelita, descoberta nos anos 40, foi registrada com nome de Mina Quixeré. Segundo contam, havia caboclas ou índias, em um serrote, que possuíam um cachorro com nome de Xareu. Gritavam: “Qui Xareu...” e as pessoas ao redor deram ao serrote o nome de Serrote Quixeré. Numa referência ao serrote, a mina e também o sítio ganharam o nome de Quixeré.
Com uma família de 13 filhos, meus avós costumavam realizar forrós pé-de-serra na Casa do Alto, que fica localizada no lugar mais alto do sítio, de onde é possível avistar sítios próximos, como o Juá. Nos forrós, não havia horário para encerrar o baile. Geralmente dançavam até o amanhecer. Com muitos garimpeiros, sabugienses e pessoas da família Úrsula, a festa acontecia com muita dança. Muitos namoros iniciaram e/ou terminaram diante da Casa do Alto, no balanço do forró pé-de-serra.
Em frente a Casa do Alto, está a Capela de S. Sebastião, onde houve casamentos religiosos da família em outrora. Hoje, no dia de S. Sebastião, os familiares levam o santo até uma residência da família e depois, em procissão, “sobem o alto”, até a Capela; onde é rezado um terço e há reflexão do evangelho. Em 2007, a reflexão foi feita pelo meu tio Aderaldo, residente no Pará, que estava aqui na ocasião.
O bangalô, como é conhecido a casa que foi de meu pai, João Ursulino de Assis, foi construída por Oscar Piquet, para ser sua residência na época da Mina. Foi neste bangalô que passei todas as férias da infância, brincando de boneca no alpendre e ouvindo histórias contadas pelo meu pai. Também costumava ouvir músicas, embalada pelo balanço da rede. Bons tempos aqueles...
A barragem é hoje ponto de encontro da família. É lá, embaixo da oiticica, que os familiares se reúnem, cozinham uma bela panela de peixe ou feijoada e fazem a festa; inclusive, no último domingo foi assim.
Na casa de tia Francisca, a filha mais velha de todos os irmãos, que hoje conta com 87 anos, permanece havendo os tradicionais forrós, em aniversários ou feriados que reúnem familiares. Residem no Quixeré, ainda hoje: Francisquinha e 05 filhos, sendo um deles com esposa e filhos; Manoel Úrsula e esposa; João Bosco, esposa e três filhos; Chagas Úrsula, esposa e três filhos, sendo dois deles de família constituída; Arivaldo (filho de José Úrsula), esposa e uma das filhas; Dalvaci (filha de Mariêta) e esposo.
Assim, de uma forma ou outra, com mudanças, tempestades e bonanças, o Quixeré persiste fazendo nossa história, a história dos negros da família Úrsula.


Anna Jailma - jornalista e blogueira, do Quixeré.

domingo, 11 de novembro de 2007

Mons. João Agripino Dantas completa 83 anos de idade

Foto (Anchieta França): Mons. João Agripino Dantas, 83 anos de idade, celebrados hoje na Igreja Matriz


Foto (Anchieta França): Mons. João Agripino e o adm. paroquial, Pe. Janilson Alves


Foto (Anchieta França): Mons. João Agripino e parte dos ministros da Eucaristia

Foto (arquivo de Ermita Lucena): Mons. João Agripino, em janeiro de 1968, no Monte de S. Sebastião, de S. João do Sabugi, em celebração. De joelhos, com seta indicativa, está meu avô José Romão; que na época, já era sacristão.

Na manhã de hoje houve celebração de Missa em Ação de Graças, pelo aniversário de Monsenhor João Agripino Dantas; ocorrido em 09 de novembro, na última sexta-feira.
A Igreja Matriz de São João Batista esteve repleta de fiéis que, em oração, agradeceram à Deus pelos 83 anos de Mons. João Agripino e pela sua presença na Paróquia de São João Batista. Na homilia, o administrador paroquial, Pe. Janilson Alves de Oliveira enfatizou seu exemplo de vocação sacerdotal.
Monsenhor João Agripino Dantas, nosso pároco emérito, destacou que "quem não serve para servir, não serve para viver" e agradeceu a todas as comunidades, de todas as paróquias, nas quais ele já trabalhou; em especial, as cidades de Serra Negra do Norte, São João do Sabugi e Ipueira, onde dedicou-se como pároco por maior período.

Anna Jailma - jornalista