quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Longe de Casa II - Por Geraldo Medeiros


Sabugiense Ausente
Por *Geraldo Medeiros.


Eu saí de São João do Sabugi ainda muito jovem, andei por vários lugares: Goiás, Mato Grosso e Minas Gerais. Isso entre 1970 e 1972. Depois, voltei e fiquei até 1974 em Caicó. Logo no início deste mesmo ano fui para o Rio de Janeiro, onde fiquei até 1977 e só depois, vim para São Paulo, onde permaneço até hoje.Naquela época os nordestinos sofriam muito com preconceitos de grande parte dos sulistas, assim denominados. Mas, com o tempo nos acostumamos e isso hoje em dia, não existe tanto quanto antes, eu acho...No campo profissional as oportunidades são muitas, em diversas áreas. É evidente que nem todos conseguem o verdadeiro objetivo. Agora falar de saudade! É ... são lembranças intermináveis, dos pais, irmãos, parentes, namorada e das festas, que são incomparáveis.Vou finalizar mencionando uma coisa que eu gostava muito em São João do Sabugi e penso que não existe mais. Era o serviço de “alto falante”, A Voz do Sabugi, acho que era assim anunciado. Era muito legal na época...

Um abraço.

*Geraldo Medeiros é sabugiense, primo do historiador João Quintino e de Dedé Cândido. Reside em Guarulhos SP, onde construiu família. Geraldo é visitante freqüente dos blogs de São João, comunidades de orkut e sites que falem em São João do Sabugi e/ou região Seridó.

3 comentários:

Carcará disse...

Cara Anna

Nós que residimos em nossa terrinha, ficamos emocionados com depoimentos dos conterraneos, por motivos pessoais, ausentes, longe das raizes e sobretudo embebidos de saudade. Que nosso São João Batista proteja tds sabugienses distantes. O que lembra Geraldo "A Voz Sabugiense", o serviço de alto falante existente nos meados do seculo passado, era seu locutor exclusivo; o saudoso Pedro de João Quinzinho, irmao de Ana, Cici e Geraldo. Minha filha, quanto a minha saudade, dos velhos tempos, são tantas, algumas pessoais, parentes seus: Sebastião Romão, Bastim, os Ursulas: Neivinha, Dr. Joaquim, o pessoal da mina Quixeré, o próprio jipe da mina, dirido por Milton. Grande Abraço

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Carcará,

Muito obrigada pelo belo comentário, emotivo e verdadeiro. Caso queira falar mais desta saudade da terra, esteja a vontade para ser incluso no próximo tópico deste blog "Longe de Casa". Aguardo seu contato no meu email annajailma@yahoo.com.br falando desta saudade, dizendo quem são seus familiares, onde mora e principalmente o que mais recorda da terra do Sabugi. Abraços calorosos do Seridó Potiguar.

Carcará disse...

Cara Anna

Moro na terrinha abençoada pelo nosso São João. Grato pelo espaço, que me foi disponibilizado.
Sucesso!!!!!!!!!!!!!!!!