terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Meu Seridó, meu sertão...



A imagem parece extraída dos livros de Euclides da Cunha, mas trata-se de Caicó. No cruzamento da Av. Cel. Martiniano, nas próximidades da Caixa Econômica Federal, à cavalo, pai e filha atravessam a avenida. Antes, o sinal de trânsito fechou para os transportes e o cavalo obediente também parou, bem do lado de um automóvell. Depois, seguiram viagem...
Uma imagem assim nos revela a essência pura do sertanejo e nos leva a caminhar por lembranças da infância, nos chama a passar um fim de semana num sítio do nosso Seridó, nos faz sentir o cheiro da terra, o calor humano do sertão, nos lembra coisas simples como passeios à cavalo ou num burrinho...
Uma outra imagem me veio à mente: quando criança, no Quixeré, meu pai me colocava num burro que transportava barris com água para nossa casa do sítio, o "bangalô", onde eu passava as férias e feriados. E eu passava pelo sítio, toda feliz na cangalha, entre um barril e outro. Mais feliz ainda eu ficava, quando algum primo ou prima me avistava no burro. Eu fazia questão de acenar com a mão, feliz da vida, porque me sentia num trono de majestade...e era um belo trono mesmo, bem mais rico que os tronos da monarquia inglesa...
Fotografias: Anna Jailma


Anna Jailma - jornalista e blogueira