sexta-feira, 25 de abril de 2008

Encantos de Florânia
















Me encantei com Florânia, cidade das flores. A praça da Igreja Matriz de São Sebastião e da Prefeitura Municipal, são repletas de flores, das mais variadas cores.
Na praça da Prefeitura Municipal há um fuzil e capacete da segunda guerra mundial e monumento homenageando os ex-combatentes floranienses. Uma justa homenagem, que deveria servir de exemplo para outras cidades.
A Igreja Matriz de São Sebastião tem na parte central do templo, duas colunas com degraus, onde o coral das crianças entoava hinos nas celebrações. Na lateral da Igreja Matriz, imagens sacras de São João Batista, N. S. do Perpétuo Socorro, Santo Antônio, São Lázaro e tantos outros, retratam os padroeiros e santos da devoção do povo seridoense.
O povo da cidade das flores, é um povo simples e sábio. Povo que gosta de música, de acolher pessoas nas suas casas, de conversar sorrindo, de mostrar a cidade e falar de sua história, de ir ao Monte de Nossa Senhora das Graças; em romaria, cantando e rezando, até chegar lá no alto e contemplar a cidade, parecendo um canteiro de flores.
A música é forte em Florânia: idosos, jovens e crianças encantam-se com os desfiles das filarmônicas pelas ruas da cidade, inclusive, é comum crianças acompanharem a filarmônica.
Em Florânia, fotografei um músico tocando tuba enquanto um menino segurava a partitura. A paisagem me lembrou uma história contada pelo meu avô Zé Romão e pelo Monsenhor João Agripino: certa vez tocando com a Filarmônica Honório Maciel, meu avô Zé Romão tocava tuba em uma cidade daqui do Seridó e o menino João Agripino se propôs a segurar a partitura. Quando meu avô começou a tocar no instrumento, o menino João Agripino assustou-se e sem querer, rasgou a partitura, correndo em disparada; com receio de receber algum “carão” de Zé Romão. Com o passar dos anos, o menino João Agripino tornou-se sacerdote, vindo atuar na nossa Igreja Matriz, onde o sacristão era aquele músico Zé Romão. Os dois comentaram esta história de outrora muitas vezes, com muitas risadas...

Fotografias: Anna Jailma e Antônio Medeiros.
Anna Jailma - jornalista e blogueira

2 comentários:

Jackislandy e Silmara disse...

Peço mil perdões, embora saiba que não valem nada diante da força da oportunidade de nos revermos. Soube que foi lá em casa e estava dormindo. Quando soube fiquei desapontado comigo mesmo, uma vez que chances assim não se podem perder. No entanto, pela matéria acerca dos encantos de Florânia, minha admiração. Gostei dos destaques. Muito merecedores. Florânia mereceu sua visita e a do maestro Totó, assim como ainda os merecem por gostar de vocês. São João e Florânia são muito parecidas em quase tudo, na religiosidade, na música, na vegetação, nos rios, no meio rural, na sabedoria popular e nos poetas. Obrigado pela homenagem a esta tão pacata cidade que os acolhe de braços e de corações abertos.

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Jackislandy,
Eu e Totó voltaremos a Florânia em breve e retornaremos a sua casa. Está perdoado por dormir tanto, deve ser devoto de São João...
Florânia é das flores, da música e da poesia e seu povo tem a simplicidade e espontaneidade própria do povo sertanejo. Adorei Florânia, seu povo e as histórias hilárias sobre o maestro Marciano.
Até breve!