sexta-feira, 25 de abril de 2008

Florânia celebrou 30 dias da partida do maestro Marciano

Foto (albúm de família): Maestro Marciano e sua esposa Anaísa Lino
Foto (Anna Jailma): Igreja Matriz de São Sebastião
Foto (Anna Jailma): Na missa, filarmônicas de Florânia, Jucurutu e Campo Redondo estavam presentes.
Foto (Anna Jailma): Marciano Jr. filho do Maestro Marciano, é professor de música em Campo Redondo
Foto (Anna Jailma): Maestro Totó Medeiros e o comerciante Tarcísio Bezerra, homenagearam o maestro Marciano.
Foto (Anna Jailma): Pe. Carlos, é pároco em Florânia

No último domingo, dia 20, estive em Florânia, cidade das flores, por ocasião da Missa de 30º dia do maestro Marciano Ribeiro da Costa, falecido em 19 de março, com 95 anos de idade. Filarmônicas de Jucurutu, Florânia e Campo Redondo, levaram o som dos dobrados pelas ruas de Florânia, anunciando a celebração. A Igreja Matriz de São Sebastião ficou lotada pelo povo floraniense e visitantes, irmanados na fé e na saudade do maestro. Homenagens foram lidas em nome da família de Maria das Graças Pereira, em nome dos alunos músicos e em nome dos maestros Totó Medeiros, Urbano e Ubaldo Medeiros.
Todos que o conheceram guardam na memória o riso, as histórias interessantes e o som do clarinetista exímio. Um fato muito relembrado é a festa do aniversário de 90 anos de idade, quando 14 filarmônicas reuniram-se em Florânia para saudá-lo. Na ocasião, o maestro disse que nenhum rico faria uma festa tão grande como aquela. Além de músico, Marciano foi carcereiro, ferreiro e agricultor; gostava de plantar no roçado logo nas primeiras chuvas de cada inverno e quando a chuva caía, encantava-se com o som da chuva no telhado. Através da música, transmitia toda alegria e amor que sentia pela vida e era costume Florânia adormecer e acordar, ouvindo suas serenatas de muitas valsas, sem repetir nenhuma delas. Era o clarinetista predileto do renomado maestro Felinto Lúcio Dantas e encantava a cidade das flores quando executava Royal Cinema. Como agricultor, plantou no roçado até os 92 anos; iniciou na música aos 26 anos, sendo maestro durante 30 anos. Como maestro, Marciano deixou a lembrança de professor maleável, paciente, que além de ensinar música, encaminhava seus alunos para filarmônicas militares, de forma que muitos de seus alunos são hoje oficiais das Forças Armadas; tendo ingressado através da música.
O maestro Marciano Ribeiro foi viúvo duas vezes, casando-se a terceira vez com a senhora Anaísa Lino da Silva, com quem permaneceu casado nos últimos 49 anos de sua vida. Deixou uma família de 11 filhos, 11 netos e 6 bisnetos, além de inúmeras pessoas que o chamam de “pai”; pelo aprendizado musical, adquirido através de seus ensinamentos.

Anna Jailma - jornalista e blogueira

2 comentários:

Anônimo disse...

'eu sou da filrmomica manoel felipi nery eestou mandando meus pesamespara a familia do maestro e foi uma grande perda para banda de música de florania'

Marlene disse...

Gostei. è uma mistura de humor, alegria e seriedade; usei mais de uma hora para ler o que achei interessante.