quinta-feira, 19 de junho de 2008

NOITE CULTURAL






Vivenciar nossa cultura sertaneja, sabugiense, é sempre muito bom. E fazemos isso quando acompanhamos as procissões de São João, paramos o olhar na bandeira de São João Batista, cantando o hino do padroeiro; quando aplaudimos as poesias da terra; assistimos nossas quadrilhas; acompanhamos a filarmônica da janela ou da calçada... quando nos emocionamos com a casinha de taipa que cheira a marmeleiro.E ainda tem a gastronomia tão nossa: batata-doce, xerém, galinha caipira, carneiro torrado, arroz de leite...
Ontem, na Noite Cultural, nossa cultura fluiu linda, forte, encantadora. No Espaço de Eventos, nossos artistas brilharam e cada sabugiense sentiu-se ainda mais feliz e orgulhoso da terra que tem, da “gente da terra da gente”.
O Concurso de Poetas Sabugienses homenageou o escritor Marcílio Medeiros, que arrancou aplausos ao declarar seu grande amor por São João do Sabugi, falando sobre a satisfação em vivenciar o São João em São João. O prefeito Dr. Elísio Galvão também recebeu muitos aplausos, ao registrar a satisfação de presenciar crianças e adolescentes da nossa terra abrilhantando os festejos nas apresentações artísticas; ricas em arte, cultura, criatividade e beleza.
Na Poesia Popular, o 1º lugar foi de Carlos Antônio Paiva de Freitas, com a poesia “Desejo de um caboclo”; no 2º lugar, Maciene Araújo de Medeiros, com a poesia “Festa de São João Batista”; e em 3º lugar, João Zacarias de Medeiros, com a poesia “Brincar de serrar velho”. Na Poesia Moderna, o 1º lugar foi de Dennys Araújo Santos, com o poema “Rio”; o 2º lugar é de Damião Ezequiel Araújo de Medeiros, com o poema “Enlevo”; e o 3º lugar, Abraão Ezequiel Araújo de Medeiros, com o poema “Versos”.
Tivemos o lançamento do livro “São João do Sabugi – nossas raízes e memórias”, reunindo artigos de pessoas da terra sobre a origem da cidade, a Filarmônica Honório Maciel, a Escola Estadual Senador José Bernardo, a Mina Quixeré e outros marcos da nossa São João. No livro, várias fotografias de outrora registram momentos da nossa vivência, da nossa gente. Parabéns ao organizador desta edição Gilcemar Fernandes, conhecido como Lucas, e a todos que colaboraram com os artigos publicados.
Confesso que me senti feliz em “folhear” nossa história e em contemplar o artigo que escrevi “Praça Antônio Quintino de Araújo, nosso palco iluminado”, registrado nas páginas, embora na referência bibliográfica eu não esteja como autora do artigo; sendo que este, foi inteiramente escrito por mim...Mas, "equívocos" acontecem...
As apresentações artísticas iniciaram com o grupo de percussão do PETI, comandado por Anderson Nery, que homenageou o forró autêntico de Elino Julião. Crianças e adolescentes da nossa terra deram um show de percussão.
Também houve apresentação do grupo de flautas da Escola Estadual Senador José Bernardo, regido por Raimundo França e logo depois, o coral da Escola Municipal Pe. Joaquim Félix, sob regência de José Fágner. As nossas crianças cantaram, encantaram, com vozes e solfejos que emocionaram; trazendo lembranças de infância para cada um de nós, pelas músicas “Riacho do Navio”, “Asa Branca” e tantas outras.
O carimbó também veio à praça, nos passos de adolescentes do PETI, que harmonizam o som do carimbó com o traquejo sertanejo. A quadrilha estilizada veio com toda grandeza, mostrando na dança, na música e em cada gesto, variados aspectos da nossa história: a fé, a coragem, a alegria, a emoção de cada dia.
Amo muito tudo isso que reflete nossa cultura, nossa raiz, nossa alma sertaneja.


Anna Jailma - jornalista e blogueira

2 comentários:

Valter Júnior disse...

Parabéns, Anna pela belissima cobertura dos nossos festejos.
Abraço.

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Obrigada Valter Jr. Visite sempre o blog. É nosso.