sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Partiu Gêca...

Foto JQ - Geraído Souza na companhia da esposa Joaninha: 48 anos de casamento
Na manhã de hoje foi sepultado o Sr. Geraído de Souza, conhecido popularmente como Gêca. Na Igreja Matriz de São João Batista houve Missa celebrada pelo Pe. Janilson e em seguida, o cortejo fúnebre seguiu para o cemitério.
Geraído foi vereador em São João do Sabugi, quando nem havia remuneração para isso. Porém, a política não o encantou e foi no comércio que ele fincou alicerces e seguiu a vida, como proprietário do "Bar de Gêca" e tendo alguns imóveis alugados.
Geraído era um homem silencioso. Mesmo no atendimento do bar, não integrava-se totalmente nas conversas. Diante dos comentários da clientela, ele sintetizava sua opinião ao pronunciar "Unrruum” e era esta a mesma resposta para quem o dizia um "bom-dia", "boa-tarde" ou "boa-noite". O "unrrum" dizia tudo.
Como lá também vendiam picolés, bolos, cocadas e "confeitos", ainda fui freguesa de Gêca, na infância; comprando picolés e dindins. O diálogo era sempre o mesmo: eu perguntava o preço e ele respondia. Eu dizia a quantidade que queria, recebia, pagava e dizia obrigada...E ele: "unrrum". Na verdade, eu achava divertido ouvir "unrrum" e se ele não respondesse desta forma, eu ficaria decepcionada.
O Bar de Gêca, funcionava na Avenida Honório Maciel, onde hoje está a Pizzaria Vem Cá, administrada por sua filha Lúcia Souza e esposo Jorge. Gêca também foi proprietário do Hotel Pérola, hospedaria pioneira de São João do Sabugi, que chegou a receber artistas como Giliard e outros da extinta TV Tupi, como a cantora Cilene e Boneca Susy.
Geraído Souza, contava com 83 anos e era casado com Joaninha, desde 1960. Tiveram um casal de filhos e quatro netos.
Que na Casa do Pai, Gêca descanse em paz.
Aos seus familiares, as condolências do blog À Flor da Terra.


Anna Jailma - jornalista e blogueira.

4 comentários:

Valter Júnior disse...

Olá Jailma, parabenizo pelo seu relato sobre Geraído. Também fui freguês e sempre que ia ao seu Bar, eu pedia para ele contar os momentos da vida onde ele e meu avô Sebastião, um grande amigo principalmente do tempo de batalhão, tiveram neste torrão. Foram momentos marcantes nas festas, serenatas e carnavais. Que Deus coloque em bom lugar, ele merece.

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Valter Jr.
Certamente nossa geração, foi a última que comprou balinhas e picolés no Bar de Gêca. Já você, deve ter sido um dos poucos que ouviu de Gêca, muito mais do que o tradicional "unrruumm..."
Abraço.

Ana Cláudia disse...

Vovô Geraído foi um grande homem,um cidadão justo, um bom filho, um excelente marido e pai, e um avô extraordinário, inesquecível. Sou grata ao bom Deus por ter colado uma pessoa tão iluminada em minha vida. Em nome de nossa família, agradeço pelas palavras tão verdadeiras ditas sobre vovô.

Maysa disse...

Geraído era realmente uma personalidade em São João do Sabugi. Sempre lembro de quando ele ainda ia à noite na Praça e ficava observando a diversão dos jovens nas férias de janeiro.

Era bom ouví-lo contar como era no seu tempo de jovem.Era bom ouvir suas histórias que sempre tinham o mesmo final bem humorado: "É Gêca já foi assim paquerador também. No tempo que Gêquinha era bonito e mimoso..."

Meus sentimentos para a família.
Descanse em paz, Geraído.

Maysa Úrsula