quarta-feira, 25 de março de 2009

Poesia da Terra

O sabugiense, também poeta, José Alencar de Medeiros Filho, deixou um comentário no blog À Flor da Terra, encantado com a bela poesia de Egydio Januário; que falou sobre o Dia de São José.
Com modéstia ele diz que não considera-se poeta e escreveu: "Que bom ver as manifestaçoes dos conterrâneos através da Poesia. Não sou nenhum poeta, no entanto, admiro os que o são. As vezes tenho a ousadia de fazer algumas trovas, tais como esta, que falam de amor".
Logo em seguida ao comentário, José Alencar, deixou as suas trovas que falam de amor.
A arte corre nas veias dos sabugienses, seja na música, na poesia, no artesanato ou em qualquer ação que respire arte e seja reflexo dos bons sentimentos.
Segue as trovas de José Alencar de Medeiros Filho, que considerando-se ou não, é poeta e dos bons:
Teus gestos sensuais,
Exprimem tua beleza
Teus encantos naturais,
São obras da natureza
Estreei o meu teatro,
No palco do coração,
Desenhei o teu retrato
Na moldura da ilusão.
Jose Alencar de Medeiros Filho.
E em época que aguardamos as chuvas, que cobrem nossos rios, açudes e barragens, José de Alencar nos envia mais trovas; desta vez lembrando o mar.
Como apaixonada que sou pelo Seridó, as trovas falando sobre o mar, me lembraram os mares do meu Seridó: o açude Itans, o Rio Sabugi, a barragem de Carnaúba...
Ouvi, um belo cântico,
Na voz de uma sereia,
Eram, as águas do atlântico,
Se debatendo na areia...
Caminhando pela praia,
A sombra dos coqueirais,
Sinto o vento que ensaia,
Belas notas musicais.
José Alencar de Medeiros Filho
Anna Jailma- jornalista e blogueira

2 comentários:

Jose Alencar de Medeiros Filho disse...

Anna Jailma,
Obrigadopela alusão ao meu comentário e as minhas trovas. Não deixa de ser um fato o destaque de nossos conterrâneos Sabugienses, no que diz respeito as ARTES, quer sejam, plásticas, artesanatos, música, poesia, comunicação etc., na cultura de um modo geral, somos diferenciados, que nos desculpem os humanos.
Para o deleite dos apreciadores de trovas, vamos falar sobre o mar.

Ouví, um belo cântico,
Na voz de uma sereira,
Eram, as águas do atlântico,
Se debatendo na areia.

Caminhando pela praia,
A sombra dos coqueirais,
Sinto o vento que ensaia,
Belas notas musicais.

Jose Alencar de Medeiros Filho
Sabugiense com orgulho

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Seja sempre bem-vindo, José Alencar!
Suas trovas sobre o mar me fez lembrar as paisagens de nossos rios e açudes transbordando d'água no nosso 'inverno' que vem no outono.