quinta-feira, 4 de junho de 2009

Bodega no São João em São João

Conforme a equipe organizadora dos eventos culturais do São João em São João, é possível que neste ano seja realizado um resgate das antigas feiras da cidade, inclusive homenageando os antigos feirantes.
A proposta seria para realizar uma verdadeira caravana, com jumentos trazendo suas famílias para feira, com carga de batatas e outros produtos colhidos nos sítios; tudo para ‘encenar’ as feiras de antigamente.
Na cidade seria organizado bancas onde seria vendido panelada, fumo em rolo, tapioca, canjica e pamonha, porções de comidas típicas vendidas na cuia e tudo isso, ao som de Zé de Jarda e sua sanfona, contando também com presença de violeiros. Este cenário pode ser organizado para integrar os festejos no domingo da festa do padroeiro, precisamente dia 21 de junho.
Também existe a possibilidade de ser criado um ambiente que remeta as antigas bodegas e eu até ousei dar a sugestão de que alguns vendedores ‘interpretassem’ pessoas que integraram a história das bodegas em São João do Sabugi. E na calçada da bodega poderia ter bancas com vendas de bebidas e comidas típicas, e até declamação de poesias que tivessem como tema a vida e a venda que circunda a história das bodegas sabugienses.
Uma homenagem ao Sr. Sebastião Januário, que permanece com seu comércio até hoje, bem como a Sr. Pedro do Bar e descendentes de antigos proprietários de bodegas, seria justíssimo; até porque alguns continuam integrando nosso comércio, com supermercados, que retratam a bodega dos dias atuais: Nino Fernandes, filho de Nozinho; Dra. Aparecida Araújo, de Manoel Leandro, os filhos de Odilo Cavalcanti e tantos outros.
Quero até destacar aqui, que quando criança eu era uma autêntica cliente de bodegas. Cheguei a fazer compra na bodega de Manoel Leandro, na de Odilo e principalmente na de Sr. Sebastião Januário. O que eu mais comprava era ‘chocolate batom’. Meu pai me dava moedas para fazer estas compras e lá em Sebastião Januário eu até tinha o privilégio de comprar para meu pai pagar na segunda-feira, quando ele chegasse do sítio...Ê vida boa! Ainda lembro que eu ficava na ponta dos pés apontando para os chocolates da prateleira...
Casa de Taipa - Já a casa de taipa, que tornou-se um marco cultural no São João em São João, é provável que deixe de existir neste ano.
Conforme fui informada, em relação a casa de taipa existe um debate em torno de sua construção. A equipe reconhece que o cenário é um marco cultural da cidade mas por outro lado, considera que a construção da casa causa prejuízo ao solo, devido a extração de grande quantidade de barro e há danos a vegetação devido a necessidade de varas de madeira; então, é possível que o cenário cultural dos festejos juninos tenha esta grande inovação, que é a bodega, mas ao mesmo tempo, tenha a grande perda que é a falta da casa de taipa.
Bom seria se pudéssemos ter os dois: a casa de taipa e a bodega. Assim teríamos um acréscimo no cenário cultural e não uma substituição; mas, devemos reconhecer que o argumento em relação ao prejuízo do solo e vegetação é coerente. É tempo de alerta em referência a preservação do meio ambiente.

Anna Jailma - jornalista e blogueira
Foto da casa de taipa: Anna Jailma
Foto de uma bodega: autor desconhecido/Google

6 comentários:

flávio disse...

A casa de taipa relembra parte da história sofrida de muitas famílias nordestinas, mas acho coerente que esse marco da nossa cultura não venha mais estar presente em nossa festa, pois além de agredir a natureza, a casa de taipa também é uma das principais responsáveis pela hospedagem do barbeiro, inseto transmissor da doença de Chagas. A Funasa não recomenda!

Dalva disse...

Bem interessante a idéia da bodega.
Que pena que não terá a casa de taipa.
beijos

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Grata pela participação, Dalva e Flávio. Voltem sempre.

Dalva Candido disse...

Também achei interessante a idéia da bodega...

Anônimo disse...

ANNA, A CASA DE TAIPA PODE SIM, SER FEITA SEM AGREDIR AO MEIO EMBIENTE. POSERÁ SER FEITA COM PAPEL RECICLADO, COMO O MAGÃO FAZ SEUS BONECOS,AS DECORAÇÕES NA CASA DE CULTURA...ANO PASSADO NÓS FIZEMOS TODA UMA CIDADEZINHA SÓ COM RECICLAGEM. ALÉM DO MAIS O PAPEL SENDO RECICLADO AJUDARÁ AO MEIO AMBIENTE. ASSIM PODEREMOS RECORDAR, REVIVER... SEM AGREDIR A NATUREZA. DODORA MEDEIROS

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Dalva Cândido obrigada pela visita ao blog.
Dodora Medeiros, sua idéia é ótima. Imagino que sendo feita de papel reciclado deve ficar em local protegido de possíveis chuvas, certo?