terça-feira, 2 de junho de 2009

Pra quem era feliz e não sabia...

Foto - Esmeraldo Lopes
No meu tempo de criança
Não assistia novelas
Nas noites de Lua Nova
Brincava-se á luz de vela
Fazia-se um briquedinho:
carrapeta de favela
Dodora Medeiros
Foto - autor desconhecido
É grande a recordação
Que sinto neste momento
Montado no meio da carga
Na cangalha do jumento
Era feliz e não sabia
Tenho este pressentimento.


Egydio Medeiros



Viajei nas poesias de Egydio e Dodora Medeiros...Já fiz carrapeta de favela e já andei montada na cangalha do jumento, precisamente entre dois barris cheios d'água: momentos das minhas férias, no tempo de criança, passeando no Quixeré.
Anna Jailma - jornalista e blogueira

9 comentários:

catkerg disse...

Dodora e Egydio, que bela poesia! andei muito em carga burro, fui pastora de animais(ovelhas, cabras...) brinquei com carrapeta de favela, andei também em burro com sela e levei animais pra currais, brinquei com bonecas de milho e de pano...que boas lembranças vocês me traz! Parabéns!

Catarina, Cáceres-MT.

AMORnique disse...

Carrapeta eu nunca fiz, mas a segunda opção, muitas vezes! Buscando água na cacimba...rsrs

Ê saudade dessa infância...

Dalva disse...

Já andei de Cangalha!
Te encontrei por aqui!
Bjos

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Catarina, que boas lembranças as poesias te trouxeram hein? Verdadeira viagem no tempo: bonecas de milho e de pano, passeios na sela, época em que cuidava de ovelhas, fazia carrapeta de favela...Seja sempre bem-vinda aqui.

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Monique Brito e Dalva, vocês também já passearam de cangalha?! Bom demais não é?! Talvez nossos filhos nem conheçam isso...

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Gente, sabe de que lembrei agora? Das galinhas do pé de pereiro! Nossa, como brinquei com aquelas galinhas...risos.

amornique disse...

Menina, sabe que lendo esse seu comentário sobre as galinhas de pereiro, tiv um "insight" e lembrei de um sonho que tive essa semana; se não me engano, ontem mesmo. Estava em um sítio, catando galinhas de pereiro no chão e, de repente, via uma enorme; quando corria para pega-la, vinha em minha direção uma enorome onda, praticamente uma "tsunami"... Estranho, não? Enfim... Só quis registrar pq eu não tinha lembrado desse sonho até então, só lembrei quando vi seu post...

Dalva Candido disse...

Outro dia, Isabel - minha filha- perguntou com o que eu brincava quando era criança e, teve um espanto quando eu falei que brincava com sabugo de milho, galinha de pereiro, ossos, caixas de fósforo secas, caixa de sabonete e pasta de dente... E ela perguntou: " E as bonecas?". Não havia, era sabugo de milho, osso e madeira. Fiquei muito feliz ao ganhar minha primeira boneca de pano ... Qantas lembranças!

JOSE ALENCAR FILHO disse...

Aproveitando a sextilha de DODORA,fiz estas trovas.
ERA CHEIA DE ESPERANÇA,
ESTUDANDO A LUZ DE VELA,
NO MEU TEMPO DE CRIANÇA,
AINDA, NÃO TINHA NOVELA.
II
O BRINQUEDO ERA DE REFUGO,
O MILHO NO FOGO SAPECA,
APROVEITAVA O SABUGO,
E DELE FAZIA A BONECA.
Ou saudades da minha infancia em ipueira e São João, não voltarão jamais.