domingo, 30 de agosto de 2009

TICO DA COSTA




Na tarde de ontem, o compositor e músico Tico da Costa, potiguar de Areia Branca, deixou a vida terrena. Desde julho ele estava internado no Hospital Onofre Lopes, em Natal, onde lutava contra um câncer no pâncreas.
Tico da Costa encantou os Estados Unidos e a Europa, inclusive residiu 8 anos em Roma, na Itália. Sua ida a Roma ocorreu através do movimento Focolares, da Igreja Católica, à convite da escritora Chiara Lubisch, criadora do Focolares.
Em entrevistada aos jornalistas Roberto Homem e Costa Júnior, em 30 de junho de 2005, Tico da Costa fala sobre sua vida artística no Brasil e no Exterior, a experiência de assistir a queda das torres gêmeas americanas, em 2001, quando gravava um CD nos EUA e ainda como conheceu Lina Wertmuller, respeitada musicalmente nos EUA; Peter Seeger, importante artista folk americano e Philip Glass, pop star americano e autor de trilhas sonoras na história do cinema.
A entrevista é maravilhosa. Tico da Costa conta sua história de vida, envolvendo a vida em Areia Branca, como surgiu a música na sua vida, a época de estudos em Natal e depois em Recife, a ida para o Exterior e o encontro com a esposa Sara, consultora da ONU, que foi sua aluna em Roma; além de tantas histórias, enriquecidas pelo jeito simples, bem humorado e sábio, do saudoso Tico da Costa.
Vale destacar que Tico da Costa e Sara construíram uma família de 3 filhos durante 22 anos de casamento, depois de 22 anos de namoro. Os filhos do casal, Daniel, Lucas e Gabriel, também tocam instrumentos musicais.
Em setembro de 2007, houve apresentação de Tico da Costa, com violão, e Urbano Medeiros, com saxofone, no Teatro Alberto Maranhão, em Natal. Na época Tico da Costa esteve em Caicó, na casa de D. Dalvaci, mãe de Urbano, e encantou-se com o sabor das cocadas; além de relembrar a infância ao contemplar as tradicionais telhas, que permitem ouvir a queda da chuva nas noites de inverno.
Tico da Costa foi um gênio da música conhecido e aplaudido no mundo inteiro.

Anna Jailma - jornalista e blogueira

2 comentários:

Roberto Homem disse...

Mais do que um gênio da música, que certamente ele foi, Tico da Costa foi um ser humano especial. Alguém iluminado. Quem conviveu pelo menos um pouco com ele pode atestar isso. Tico era generoso, era alegre. Ele era o próprio sorriso. Tico era a poesia materializada em gente. Ele estará comigo enquanto eu estiver nesse planeta.

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Caro jornalista Roberto Homem,
Muito obrigada pelo comentário registrado no blog.
Seu comentário enriquece o blog, assim como a maravilhosa entrevista que você realizou com Tico da Costa em 2005 e eu, com muito prazer, registrei aqui no À Flor da Terra.
Volte sempre!