segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Morre F. Gomes

F. Gomes...
Passeio da Rádio Caicó em Acari, em agosto do ano passado

Confraternização da Rádio Caicó, em dezembro 2009.

Início da cobertura da Festa de Sant'Ana em 2009

Momentos no estúdio da Rádio Caicó


Não tenho como expressar o sentimento de pesar pela morte do jornalista F.Gomes, assassinado hoje a noite aqui em Caicó, na calçada de casa, com cinco tiros. Sem palavras e ainda sem acreditar nesta tragédia, deixo aqui fotografias de alguns momentos de F. na Rádio Caicó.
Na Rádio Caicó F.Gomes era chefe do Departamento de Jornalismo e no convívio profissional pude conhecer de perto o profissional sinônimo de credibilidade, e também o F. ou “Chico”- como as vezes era chamado - brincalhão, amigo e sobretudo, dedicado a família.
Que Deus esteja contigo F. e que a Justiça seja feita, para que a gente não comece a imaginar que ela é falha ou inexistente.
Anna Jailma - jornalista e blogueira
Fotos - Anna Jailma

2 comentários:

Anônimo disse...

FGOMES! Uma das últimas matérias postadas no blog foi um anúncio que solicitei em nome da comissão do II SEPE sobre a realização do evento no Campus de Caicó – que terá sua abertura hoje à noite, às 19h30min no CERES – Caicó. Prontamente você nos atendeu, sem delongas. Mal nos conhecemos em uma oficina sobre jornal, no SESC, há poucos dias, foi aí que fiquei ciente de que você tinha o dom do trabalho ético e sabia honrar os compromissos com o ofício e com a informação, aquela despretensiosa, sem interesse vil, corajosa, destemida. Na vida fazemos escolhas e você escolheu cultivar esta alma sincera em plena expansão, esta parte do humano decididamente humana que lida com a dor, a angústia, a injustiça e o sofrimento do outro. Fique sabendo! Não fostes o primeiro nem serás o último na história humana a ter sua existência terrena interrompida. Mera ilusão achar que perdemos uma grande pessoa como você porque o homem inteligente se perpetua pelas suas ideias, e enfrenta o outro com as armas oriundas da inteligência e não pela força bruta e covarde. As pessoas a quem interessava o seu desligamento terreno assassinaram a si próprias como eternos andarilhos à deriva da miséria humana, rastejantes pela vida, por não se aceitarem a si próprias. Personas que precisam eliminar o outro para poderem viver, desprovidas de tudo o que se possa assinalar e se ter como gente, personas inadequadas num projeto de civilização, de urbanidade e de cidadania decente. O seu tempo não terá hora entre os que ficam porque se as suas ideias continuam a circular, dificilmente as pessoas cultivarão o sentimento de partida e de morte. Muitos vivos estão mortos perambulando em busca de uma explicação para continuarem o desserviço da sobrevida, do não servir. Muitos mortos estão e continuarão vivos porque suas ideias brotam em lugares e pessoas inimagináveis. Digo, pessoas sensíveis, criativas e perceptíveis como você. A ecologia da vida tratará de restabelecer o equilíbrio desta situação e de reordenar os sentimentos dos seridoenses neste momento.
Trata-se de um comentário feito pela professora Dra. Grinaura Medeiros de Morais do Departamento de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – Ceres – Caicó.
Em nome da Comissão do II SEPE (Ione Rodrigues Diniz Morais, Maria de Fátima Garcia, Otília Maria A.N.D.A., Tarciano de Morais Silva. Nossos sentimentos!

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

"...se as suas ideias continuam a circular, dificilmente as pessoas cultivarão o sentimento de partida e de morte" Sem dúvida estas palavras da professora Grinaura confirmam esta nossa sensação de que F continua vivo, de que a morte para pessoas como ele é inexistente. O grito de F por Justiça agora é mais alto, porque é dito por toda irmandade de jornalistas e radialistas do Rio Grande do Norte.
Obrigada Grinaura pela presença no blog e pelas sábias palavras.