sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Prefeitura deixa Filarmônica sem teto

Sede da Filarmônica de Jardim do Piranhas, adquirida na década de 90

Era uma vez jovens e adolescentes que levavam boa música pelas ruas

... e viram um sonho chegar ao chão

...viram um sonho perder-se nos escombros...
Em 1992 a Filarmônica José Raimundo Cavalcante, de Jardim do Piranhas, foi fundada, tendo como maestro Totó Medeiros. Depois de passarem por cinco lugares diferentes, os adolescentes e jovens da filarmônica viram um sonho se realizar: a conquista de uma sede própria. O local era o galpão que guardava o ônibus da prefeitura e transformou-se em sede da filarmônica, concretizando o sonho de um povo. Era 1993 e a prefeita era Josidete Maia.
Agora, dizendo que precisa construir outro PSF na cidade e demonstrando não ter qualquer interesse em valorizar a música, o prefeito Antônio Macaco simplesmente mandou demolir o prédio onde funcionava a sede da banda de música e os instrumentos foram para a Prefeitura Municipal; não tendo os músicos nenhuma perspectiva da continuidade de trabalho.
Quando conseguiram a sede, foi com coragem e emoção que os 25 componentes, junto ao maestro Totó, lixaram madeira e limparam a nova sede. O prédio simples era perfeito: aconchegante e perto da Igreja, onde acontece a maior parte dos eventos com participação da filarmônica. E quando os músicos daquela década de 90 saíram, para tomar outros rumos na vida, chegaram novos adolescentes que deram continuidade ao trabalho; com o mesmo empenho e amor pela música. Mas o sonho chegou ao fim. Hoje, adolescentes e jovens de Jardim do Piranhas que se expressam pela música, que engrandecem os eventos sociais e religiosos de Jardim, estão despejados, “sem teto”. Vale destacar que PSF é importante, não resta dúvida; mas, com certeza a Prefeitura de Jardim do Piranhas, teria como conseguir outro local para o funcionamento do novo PSF, sem precisar calar o som dos acordes.
“Uma das maiores alegrias da minha vida como maestro, foi a conquista daquela sede para os jovens músicos de Jardim do Piranhas, quando fui maestro naquela cidade. Daqueles músicos adolescentes que participaram da fundação da filarmônica existe hoje tenente, padre, professores e tantos outros profissionais. São homens e mulheres de bem. Nenhum bandido saiu de lá porque da música se colhe bons frutos. Se o prefeito não entende ou não sabe o que é cultura, o povo sabe” disse o maestro Totó Medeiros, que hoje é regente da Filarmônica Recreio Caicoense em Caicó e Filarmônica Santa Cecília, em Equador.
Anna Jailma - jornalista e blogueira
Fotos - blog Sou do Seridó


7 comentários:

Anônimo disse...

é realmente lamentavel saber que ainda existem governantes que não têm o costume de zelar pela cultura de seu povo,que ao invés de apoiar consegue destruir o que foi conseguido com muito suor, é por isso que jardim de piranhas está do jeito que está.
aqui os jovens passam a semana inteira trabalhando para nos finais de semana consumirem tudo que ganharam com bebidas, festas e outras coisas mais que prefiro nem falar aqui.
é uma pena que realmente isto esteja acontecendo, pois o preço destas ações a população irá pagar num futuro bem próximo.

Dalva Cândido disse...

É realmente lamentável( para não falar outras coisitas mais...) que um governante não seja sensível a cultura de sua gente e de sua terra. A gente não precisa somente de sáude, educação, trabalho, etc, mas precisamos também de cultura e arte. Lastmável a atitute desse prefeito...

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Caro anônimo, infelizmente a cultura ainda não é valorizada como deve. São muitos os que não enxergam os benefícios que a cultura traz para toda a população, principalmente levando a juventude ao caminho do bem; longe das drogas e da futilidade.

Dalva, é triste em pleno século 21 ainda presenciarmos um fato como este: um governante que desconhece a importância da cultura para seu povo e retira da juventude a oportunidade de vivenciar a arte da música.

Anônimo disse...

Lamentável uma atitude anti-cultural e prepotente como essa. Lamentável a existência de um gestor desse calibre.

Anônimo disse...

Boa noite Anna Jailma!!!! Já olhei várias vezes para a cena e todas essas vezes choro muito ... Quando fui a Jardim e vi essa cena da sede caída quase morro. Fiquei horas na frente refletindo. Minha pressão ficou altíssima. Só Deus é testemunha da nossa alegria, de como éramos felizes com a sede própria ...Totó sabe e tenho certeza do quanto ele ficou chateado com essa atitude imbecil. Se eu estivesse em Jardim faria uma movimentação, seja lá qual fosse, pra chamar atenção da população. Quem sabe já não está na hora da nossa Banda tornar-se uma Associação?!!!Isso é urgente! Abraço, Delma Ribeiro , musicista de Jardim de Piranhas, residente em Natal RN.

ALCIMAR disse...

Antes de comentar a matéria, quero deixar um grande abraço a minha amiga Dalva, com quem tive o grande prazer de trabalhar em Jucurutu. Aqui em Jardim, todos os que defendem a cultura e a educação estão indignados com o ocorrido. Além da demolição da sede da banda, está em curso um problema de iguais dimensões: a ruína, a qualquer momento, da construção mais antiga da cidade, um antigo sobrado, que desde 1994 espera para ser tombado e recuperado. Jardim de Piranhas só tem olhos hoje para forró e bebedeira.

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Caro Alcimar, espero que a população de Jardim se una a favor da cultura e contra estas demolições que anulam a história da cidade. A população deve se mobilizar através de abaixo-assinado, ou com evento que leve o povo as ruas em favor da preservação da história e da cultura da cidade. ""Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem"