domingo, 20 de março de 2011

Gente que pensa, logo existe!


"...O carnaval precisa ser repensado, a fim de recuperar sua feição mais cultural que econômica. E mesmo no tocante a ser um evento cultural, precisam ser discutidos quais os modelos a ser preservados, recuperados ou expandidos. Desde os anos 1980 que o modelo pernambucano tem sido paulatinamente substituído pelo modelo baiano, descaracterizando nossa folia. Nosso carnaval é filho de Pernambuco, da folia mais democrática que acontece por lá. A questão do investimento dos recursos públicos tem quer ser repensada e as condições adequadas precisam ser oferecidas. Tem cabimento haver plantão médico no carnaval, para atender bêbados e valentões, e faltar plantão durante o dia-a-dia, para os idosos e as crianças, por exemplo? Quem ganha mesmo com o carnaval: os donos das bandas, os intermediários, os donos dos carrinhos de cachorro-quente? E quem mais perde? "


[ Historiador João Quintino Filho, de São João do Sabugi RN, comentando o texto de Djalma Mota "Carnaval de Axé e Agonia" publicado aqui no blog]
Postagem: Anna Jailma
Foto: blog de Lenilson Azevedo

Um comentário:

João Quintino disse...

Que destaque, Jailma! Realmente, tenho pensado sobre isso; até que ponto é interesse construir um carnaval uniformizado e nitidamente capitalista, como é a folia importada da Bahia? Prefiro o modelo pernambucano, fantasiado, verdadeiramente folclórico e popular. Mas sei que isso envolve controvérsias, pois repercute nos interesses de peixes "graúdos". Abraço!