quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Espinhos da rosa: Projeto para criação do SEBAM foi vetado pelo Governo do RN


O Projeto de Lei que cria o Sistema Estadual de Bandas de Música do Rio Grande do Norte - SEBAM-RN foi vetado pela Governadora do Estado, Rosalba Ciarlini. O projeto foi aprovado por unanimidade na Assembleia Legislativa, mas, para surpresa de todos - e frustrando as expectativas dos profissionais das mais de 100 bandas de música do Estado - a Governadora vetou o Projeto de Lei, dia 20 deste mês.
Aqui no Estado são 115 bandas em atuação. Nas escolas, as bandas de música envolvem 10 mil estudantes. Com aprovação do SEBAM, estava previsto a realização do projeto Nossa Banda, com a divisão do estado em 9 pólos musicais e implantação do Expresso da Banda, que seria uma escola itinerante; levando o conhecimento da música onde o povo está. Além disso, haveria seminários de capacitação técnica, palestras, concertos, encontros de bandas, festivais, gravações e tantos outros eventos em prol da divulgação da boa música pelo Estado.
O maestro Bembém, de Cruzeta, destaca que a criação do SEBAM não tem vínculos nem objetivos partidários; sendo exclusivamente um projeto de compromisso com a música de qualidade no Estado. “Queremos externar a nossa decepção e dizer que não temos partidos, nem simpatias: Nosso compromisso é com o ensino da música no Estado. Esse trabalho vem sendo feito há mais de 100 anos pelas bandas de música e suas escolas de formação, suprindo historicamente a ineficiência dos governos na tarefa de levar à sociedade uma formação musical, educativa e cultural, ineficácia esta que resulta no tipo de música que se produz atualmente neste Estado e que domina todos os meios de difusão de massa e até as rádios e TVs comunitárias”, diz o maestro.
Com a criação do SEBAM, a boa música seria devidamente valorizada, com amplos projetos culturais sendo colocados em prática, alcançando pessoas de todas as idades e classes sociais, levando mais conhecimento, novas oportunidades e melhor qualidade de vida, através da música. Os deputados aprovaram. A governadora vetou. O que você pensa disso? Qual sua opinião? Qual nossa parcela de contribuição nisso tudo? Pense nisso.

Anna Jailma - jornalista e blogueira

6 comentários:

Cláudia Queirós disse...

Esta veio de encomenda!

Cláudia Queirós disse...

Respondendo a sua pergunta JAILMA: DITADURA EM PLENA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA.

Zé Marconi disse...

É uma miopia governamental vetar um projeto dessa grandeza, talvez, porque o efeito político (captação de votos) não seja imediato; ou talvez, bandas filarmônicas podem não ser o forte da república de Mossoró, por que da Região Seridó é fortíssimo. Esse projeto seria de grande inclusão, sócio, cultural, em virtude da música melhorar a maneira de pensar e agir das pessoas, tornando cada vez mais melhores cidadãos e ser humanos; talvez seja por isso que a governadora tenha vetado, pois é mais fácil manter um geração "aviões e axezeira" pagando cachês altíssimos, com cobrança de spreads pessoais, do que investir na boa educação, que também passa pela música.

Dalva Cândido-Natal/RN disse...

Anna Jailma eu também fiquei muito triste quando soube que a governadora havia vetado o projeto. Infelizmente Educação, Cultura e Saúde não são prioridades de nenhum governo, né mesmo? Porque os que estes fazem com essas três pastas são verdadeiros absurdos. Concordo com o que Zé Marconi falou "... pois é mais fácil manter uma geração de aviões e axezeira pagando cachês altíssímos...". Infelizmente é esse tipo de governantes que temos. Um abraço.

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Dalva Cândido, como você bem disse: "infelizmente é esse tipo de governantes que temos..." e pior, é esse tipo que elegemos.

Dalva Cândido-Natal/RN disse...

Verdade Anna Jailma, infelizmente novas lideranças na politica do Rn não aparecem e quando aparecem estão ligados as oligarquias de antes (Alves, Maia, Faria, etc e tal). Precisamos muito do surgimento de novos nomes na política,bem como precisamos de uma reforma política que não chega pq não é do interesse daqueles que legislam nesse país. Um abraço.