domingo, 26 de fevereiro de 2012

Carnaval 2012

O carnaval passou mas os debates em torno da festa momesca continuam. E não poderia ser diferente. Segue alguns pontos do Carnaval 2012:

BANDAS: Um fato que chama atenção é que a cada ano, o repertório das bandas pioram. Neste ano, infelizmente, podemos afirmar que a música mais ouvida no carnaval seridoense foi a que dizia “p... que pariu” a cada minuto. E aqui chamo atenção dos senhores GESTORES: prefeitos, secretários, governadores, etc, têm responsabilidade pelo que oferecem ao povo, inclusive, quando trata-se de músicas ( pode chamar isto de música?) das festas tradicionais.
Ressalto que, em São João do Sabugi era tradicional o frevo nos carnavais sabugienses, mas este ano, mesmo com os argumentos do povo da cidade em comunidade do Orkut, em favor do frevo, o que predominou mesmo foi a tal música já citada, e o frevo só marcou forte presença mesmo, na terça-feira de carnaval. E sem o frevo, o carnaval foi maior, foi melhor? Não. Este foi um dos carnavais mais desanimados em São João do Sabugi, até porque, o povo sabugiense viajava a Caicó para curtir o frevo do Bloco do Magão...

COMPORTAMENTO: Só um comentário: Afinal, o ser humano não tem mais personalidade? No carnaval usa um jeito de ser, na quaresma usa outro, no período de Natal também é outro e assim vai?! A organização de um grande evento não cabe somente aos organizadores e sim, talvez até "principalmente" ao povo que dele participa. De repente, no carnaval, é "normal" o vandalismo, a falta de respeito e a falta de limite em tudo...

POLUIÇÃO SONORA: A poluição sonora trazida pelos paredões descontrolados, em cima um do outro, em cada esquina, durante 24 horas, leva a pensar: “o que seria de nós, sem a Polícia Ambiental?” E o impressionante é que tem pessoas consideradas “conscientes” que aprovam, usando argumentos – falhos – de que “carnaval pode tudo”, “quem não goste, saia da cidade”. Parece até que carnaval é tempo de ignorar qualquer lei existente, é tempo do ser humano mostrar o pior no referente a comportamento dentro e fora de casa...

XIXI - Os absurdos não param pelos paredões. Ah se fosse só isso...Nas ruas de Caicó, banheiros químicos foram instalados nos percursos dos blocos, mas não foram poucos os que preferiram urinar nas calçadas das residências. E o fato não acontece somente em grandes carnavais como em Caicó. Em São João do Sabugi, na terça-feira de carnaval, dois rapazes pararam um carro na Av. Honório Maciel e urinaram na parede de uma residência, mesmo com pessoas sentadas nas residências vizinhas; mesmo havendo luz na calçada que foi escolhida, por eles, como “banheiro”. Lamentável.

BLOCO DO MAGÃO: A qualidade do som do Ala Ursa do Poço de Sant’Ana, independente de ser por falta de investimento ou outro motivo, deixa muito a desejar. Há quem opine da orquestra de frevo subir a um trio e o carro tradicional da orquestra, passar a ser usado para algumas pessoas fantasiadas, inclusive quem usa as tradicionais burrinhas. Assim o carro folclórico e tradicional do Bloco do Magão, não saíria de cena; mas o som da orquestra receberia a merecida transmissão; em trio. Sem dúvida, o melhor repertório do carnaval seridoense é o do Bloco do Magão, mas é preciso que o povo escute as músicas durante o percurso e não somente, quem estiver ao pé da orquestra.

PREÇOS EXORBITANTES: Em Caicó, o preço de comida era exorbitante. Um sanduíche variava de 7 reais à 10 reais e a reclamação era geral: em vários pontos, o sanduíche nem era feito na hora. Devido a demanda alta, alguns lugares faziam grande quantidade dos sanduíches mais vendidos e depois de receberem o dinheiro, levavam o sanduíche – com aspecto de feito bem antesssss - até o cliente. O preço do aluguel de residências subiu tanto que alguns foliões optaram em alugar residências nas cidades próximas como Timbaúba ou São Fernando.

TRÂNSITO – O trânsito em Caicó durante o carnaval, levou as pessoas a avisarem no twitter: “não saia de casa em automóvel”. Estacionar ou simplesmente transitar nas ruas era quase impossível.

...E então foi Carnaval, o que você fez? Agora é Quaresma...o que você faz?

Anna Jailma - jornalista e blogueira

4 comentários:

Dalva Cãndido disse...

Anna Jailma adorei a sua idéia para o Bloco ô Insônia providenciar um baile de carnaval a fantasia. Vamos lá J.Q., a idéia é ótima e eu topo ajudar. Quanto aos outros pontos:
a) Poluição sonora- A policia deveria averiguar esses paredões que incomodam não somente no carnaval mais também no dia-a-dia.
b) Planejar um dia de carnaval como a segunda-feira e não providenciar banheiros químicos é loucura. Vi muita gente dizer que não precisa devido existir banheiros na praça. Esses estão em péssimas condições e durante o carnaval ninguém conseguia passar da porta com tanta sujeira e uma mistura de água+ xixi no chão, embora tivesse uma funcionária lá para a limpeza. A minha calçada também foi visitada pelos foliões e eu indicava para esses o beco da igreja, infelizmente.
c) Bandas - Em nenhum dia as bandas começaram a tocar no horário previsto. O melhor dia foi realmente a terça-feira quando a banda tocou muito frevo e antigos sucessos. Bom planejar melhor esse evento no próximo ano. Um abraço.

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Grata pelas brilhantes colocações, Dalva.

Valter Júnior disse...

Saudações Anna. Muito verdadeiro o seu olhar sobre o carnaval deste ano, principalmente em relação a São João do Sabugi. Acrescento, a esse, a falta de respeito as crianças. Durante o carnaval relatei, em meu Facebook, a minha tristeza em não saber responder a pergunta da minha filha de 5 anos, pois queria "pular carnaval e não começava a tocar a música de pular"(se referindo a vassourinha). Fiquei sem responder, pois não iria mentir. Espero que no próximo ano, pelo menos um dia, aconteça uma tarde para as crianças, podendo ser no clube e pagando. Temos que lutar por esse momento de alegria para os nossos filhos, pelo menos ver o sorriso no rostinho deles. Grato.

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Muito enriquecedor seu comentário Valter Jr. As crianças em São João do Sabugi estão sem encontrar opção de diversão no carnaval, porque além de não existir uma festa específica para eles - como na nossa época existia a "matinê" - as músicas que integram o carnaval de hoje são completamente impróprias para elas.