quinta-feira, 28 de junho de 2012

MISSA DE 30º DIA - Joaquim Úrsula


A família de Joaquim de Assis Úrsula, estará reunida na Missa de 30° dia pela sua alma, que será realizada sábado, dia 30 de junho, às 9h, na Igreja Matriz de São João Batista, em São João do Sabugi, RN. Agradecemos as orações e a solidariedade recebida. 


Em 28 de maio, Francisco Diógenes, que tem uma coluna no conceituado site No Minuto, da capital potiguar, publicou algumas palavras sobre a pessoa de tio Joaquim Úrsula. Compartilho neste blog, alguns trechos das palavras registradas por Diógenes, porque elas muito transmitem a pessoa calorosa e de coração aberto que foi Joaquim Úrsula. Ler as palavras que falam sobre citações, risos e atitudes espontâneas de tio Joaquim, é um retorno no tempo, é quase comprovar que ele não se foi:

"...Joaquim Úrsula era de São João do Sabugi. Ele foi um cara bacana. Sempre sorridente, era bom de conversa. Sabia tudo da política norte-rio-grandense. Conhecia quase todos os políticos, o jeitão de cada um. Ele foi "bacurau" - termo usado para os seguidores de Aluísio Alves...Perdeu a eleição para prefeito de sua cidade por apenas um voto. Juro: em toda minha vida só conheci uma pessoa que perdeu a eleição por um voto! Foi Joaquim. E você pensa que ele ficava se lastimando do episódio? Nada. Ele dava uma gargalhada sempre que contava a história e dizia: "Foi Socorro, minha mulher. O voto que faltou para eu ganhar a eleição foi de Socorro, porque ela detestava política e pedia que eu ficasse longe de eleição". Guardo boas e divertidas lembranças de Joaquim Úrsula no tempo que eu morava em Brasília. Um grupo de potiguares costumava se reunir aos sábados na feijoada do Hotel Eron e Joaquim Úrsula era figura certa. Joaquim Úrsula morou muito tempo em Brasília e em Goiânia. Ele era louco pela capital de Goiás. Certa vez, viajando com um grupo, eu vi Joaquim pedir para parar o carro na entrada de Goiânia e beijar o chão da cidade: " como o Papa João Paulo Segundo", dizia ele, para demonstrar seu amor pela terra dos goianos. Esse era Joaquim Úrsula. Uma figura!" [http://www.nominuto.com/blog/blog-do-diogenes, datado de 28 de maio 2012]


Anna Jailma - jornalista e blogueira

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Acalento

 Foto - autor desconhecido: Paisagem de lugar desconhecido

 Foto: albúm de Rillary Thayná - Serra do Mulungu

Foto: albúm de Rillary Thayná - Serra do Mulungu



Os últimos dias estão "frios" por aqui. De repente, parece que São Paulo falou para São João: "este é seu mês, então fique você com a 'terra da garoa'..." Não tem havido às chuvas esperadas pelas plantações, mas as noites e madrugadas estão agraciadas com um frio gostoso e as vezes, acordamos com uma doce garoa acalentando a telha. E isso já basta para, num passe de mágica, a caatinga ressurgir verde. 
As fotos foram colhidas do facebook. Ficam aqui para encantamento dos nossos olhos e acalento da alma.


Anna Jailma - jornalista e blogueira

segunda-feira, 25 de junho de 2012

São João em São João - 180 anos





Vivenciamos - aqui e nos lugares mais distantes - os 180 anos de São João em São João. Foram dias de reencontro, muitos risos e abraços que carregam histórias de infância, da juventude, de um passado distante ou de poucos anos atrás. Os que estão longe, mas, aqui queriam estar - como diz a música - também vivenciaram os momentos de fé, unidos conosco, através da internet.  Em cada novena, quando era citado os nomes dos sabugienses ausentes, que se faziam presentes pela internet, todos nós, presentes na Igreja Matriz, sentíamos como se aquela pessoa estivesse ali do lado; compartilhando cada momento do festejo. Isto é ser sabugiense: ter a capacidade de sentir perto, cada um dos nossos conterrâneos; porque nós somos uma só família. Independente de laços sanguíneos, o que nos une é o amor pela terra e laço de amor ultrapassa qualquer barreira, inclusive, a barreira da distância. 
As quadrilhas, das escolas e dos blocos carnavalescos, dão um toque especial nos festejos. É gostoso e puramente junino, observar os desfiles de quadrilhas em cada fim de tarde; dançando pelas ruas. Porém, se tivesse mais dança e menos correria, seria ainda mais bonito.
Miss S. João do Sabugi Lídia Mara, Rainha da Festa 2012 Mirela Marques e Mister S. João do Sabugi, Natan Diniz
Não se pode deixar de destacar o empenho de quem, de alguma forma, também faz acontecer importantes eventos na festa do padroeiro, buscando apoio aqui e acolá, ou mesmo, arregaçando as mangas e fazendo arte arcando com todos os gastos: Dercílio Morais, que realizou a Caminhada dos 180 anos - Do Jardim ao Sabugi - e a Exposição na Prefeitura Municipal, intitulada de 180 anos de São João em São João; e João Quintino de Medeiros Filho, que realiza o evento de Escolha da Rainha da Festa, com apoio de sabugienses que acreditam no seu trabalho e reconhecem o valor cultural do evento.
Analisando a estrutura da festa, pode-se afirmar que a festa não contou com bandas renomadas, mas, o Forró Xique-Xique trouxe um autêntico forró pé-de-serra para a praça pública, dia 22. Na noite do dia 23, as bandas também deram destaque ao forró tradicional, mas não tivemos nas noites de festa um público numeroso; como vinha ocorrendo nos últimos anos. 
Infelizmente houve a interdição de barracas e Espaço de Eventos, que foi resolvido dentro de 24h, mas causou um mal estar entre os sabugienses e sem dúvida, ofuscou o brilho da festa, porque criou uma notícia negativa dos festejos.  Além disso, faltou uma boa divulgação, com nomes das bandas que iriam fazer a festa na praça pública e com os eventos culturais como o Concurso de Poesia, a quadrilha estilizada do PETI e a quadrilha do Grupo de Terceira Idade, que também integram os festejos há anos, sendo eventos tradicionais da festa. Sem saber sobre as bandas que iriam tocar e sabendo das notícias negativas sobre interdição e problema no palco, muitos deixaram de comparecer. Os 180 anos de São João em São João merecia mais brilho, isto é inegável.
Filarmônica Honório Maciel, desde 1926 enaltecendo os festejos


Como ocorre todos os anos, há mais de 80 anos, a Filarmônica Honório Maciel marcou os eventos religiosos, levando as ruas a tradição da música em São João do Sabugi. São os acordes da Filarmônica, que fazem a "trilha sonora" dos nossos festejos. Durante as procissões, as alvoradas e salvas, presenciamos sabugienses chorando ao ouvir a execução dos dobrados. Não é choro propriamente de tristeza, mas, sim de saudade, dos anos que se foram carregando momentos e pessoas especiais; da vida de cada um. É a emoção transbordando da alma.
Neste ano, lamentavelmente, faltou uma sintonia entre o trio, que leva o Ministério de Música na procissão de encerramento, e a Filarmônica.  Durante o percurso da procissão, a Filarmônica terminou sua participação nas proximidades do Cruzeiro, devido o "embaraço" de não saber se tocava ou se parava. Ocorria que antes do término da execução dos dobrados, se iniciava os cânticos no trio. Algo deve ser pensado para se evitar "embaraços" desse tipo, no próximo ano. É provável que se a Filarmônica ficar no ínicio da procissão e o trio no final, o impasse seja resolvido; porque um som não vai atrapalhar o outro.
Tratando-se de organização, planejamento e realização dos eventos, a Paróquia de São João Batista está de parabéns. Foi a programação da Paróquia - inclusive divulgada com antecedência - que destacou-se nestes 180 anos de São João em São João. Foram os eventos religiosos, os eventos sociais organizados pela Paróquia, a transmissão via internet, e sobretudo, a fé do povo sabugiense, que trouxe os filhos distantes; promoveu os adoráveis reencontros e, verdadeiramente, fez a Festa de São João Batista neste ano de 2012.

Anna Jailma - jornalista e blogueira
Fotos: Blog da Paróquia, Romualdo Souza, Jéssica França e Jane Marques

Homenagem aos 180 anos de São João em São João

A Estoria da Historia
Autoria: Davi 

Falando de minha terra
Faço-me de historiador
Pois isso é uma artimanha
De um jovem contador
Vou falar dessa cidade
Do seu povo e seu valor.

No tempo que as Sesmarias
Existiam por aqui
Havia uma que estava
As margens do Sabugi
E a estória da historia
Já começa por ai.

A senhora Ana Joaquina
De origem portuguesa
Foi dona de muitas terras
Aqui dessa redondeza
Mulher forte e verdadeira
Seu nome tinha grandeza.

Faleceu uma senhora
Que era muito pesada
E aqui não tinha um canto
Pra ela ser enterrada
E para a Villa do Príncipe
Ela ia ser levada.

Mas dona Ana Joaquina
Interveio na questão
E para o sepultamento
Doou um pouco de “chão”
Também doou mais um pouco
Pra capela de São João.

Foi criada uma escola
Pra o povo educar
E o padre Joaquim Felix
Era um homem popular
Foi o primeiro educador
Que existiu nesse lugar.

A festa veio daí
E tornou-se uma tradição
A escola educava
E em junho, a devoção.
E assim São João do Príncipe
Virou a grande São João.

Pertencia a Serra Negra
Uma potencia regional
Mas já era um distrito
Feito por ato legal
Hoje é independente
Na configuração atual

Mas agora vou falar
Da festa do padroeiro
Que o São João em São João
Foi o festejo primeiro
E hoje é conhecido por
Este Mundão inteiro

Lembro-me de Primo Ivo
E também seu João Galvão
Dário Gorgônio, um homem
Que amou este São João,
Morre uns e nascem outros
Permanece a devoção

Esta festa permanece
Enquanto o povo puder
Temos aqui que exaltar
O homem e a mulher,
Pois, Dona Dudu e Lica
Mulheres de muita fé

Alguns padres da paróquia
Eu tenho que aqui citar
O Monsenhor Agripino
Que é figura secular
Padre Janilson e Joaquim
Nós sempre vamos lembrar

São João a terra da música
Sempre exerceu seu papel
Falando da filarmônica
A Honório Maciel
Relembrando Zé Romão,
Zé Honório e “seu Manel”

Já contei essa historia
E tenho que aqui parar
Lembramos-nos da devoção,
Deste povo e seu lugar
Mas nos fica à tradição
E a Historia de São João
Sempre vai continuar 


A poesia "A Estória da História" é de autoria de Davi Cândido, sabugiense de 15 anos. A poesia destaca traços da nossa história e de sua gente; ressaltando também a fé e religiosidade de nosso povo. Parabéns para Davi pelo talento e pelo interesse em conhecer e divulgar nossa história.

Anna Jailma - jornalista e blogueira
Foto - divulgada no Facebook, sem indicação de autor

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Poesia


180 anos de São João em São João
Poesia "livre" de Anna Jailma

São João do Sabugi foi fundada
Com fé e determinação
Por Ana de Souza a terra foi dada
Sendo o padroeiro São João
Assim a festa foi consagrada
Com louvor do povo em oração

A festança do nosso São João
Tem data privilegiada
Cento e oitenta anos de São João
Nesta terra abençoada
E cem anos do rei do baião
O grande mestre Luiz Gonzaga

Nosso São João é diferente
Mexe com a emoção da gente
Tem forró, quadrilha, balão
Tem novena, leilão, procissão
É São João o santo no altar
É São João o nome do lugar

É tempo de São João em São João: estamos em festa!

 Foto Blog JQ: Rainha Sarah Rocha, ladeada pelas princesas; em 2011



HOJE, 21 DE JUNHO, 21h: Escolha da Rainha da Festa e apresentação de Mister e Miss São João do Sabugi 2012, no Espaço de Eventos, da Praça Antônio Quintino de Araújo. A festa, que é um dos eventos mais tradicionais dos festejos do padroeiro, conta com show de MPB com Dan Nunes, Dinha Lucena e Kilvânia Souza; através do patrocínio dos Patronos e Patronesses do evento; que é idealizado por João Quintino de Medeiros Filho.


AMANHÃ, 22 DE JUNHO:

MANHÃ: Abertura da Exposição 180 anos de São João em São João, idealizada por Dercílio Morais. A Exposição acontece na Prefeitura Municipal de São João do Sabugi, e tem objetivo de contar nossa história de fé através da arte plástica, paramentos da Igreja Matriz, imagens sacras e artesanatos da terra. Não deixe de prestigiar com sua presença.

22 h – No Espaço de Eventos, acontece festa com o mais autêntico forró do nosso sertão: Forró Xique-Xique. A festa conta também com o Trio Vênus. É uma festa com o melhor do forró pé-de-serra, patrocinada pelos comerciantes da nossa cidade.

SÁBADO, 23 DE JUNHO, 22h: A festa em praça pública, conta com animação de Redondo e banda Som do Norte, banda Aryaxé e Forró do Agito, com participação de Marquinhos Carrera.

Anna Jailma - jornalista e blogueira


É tempo de quadrilha!


Na noite de 19 de junho, duas quadrilhas levaram riso, tradição e beleza aos festejos do padroeiro, em São João do Sabugi. Nesta noite, o nosso palco principal - Praça Antônio Quintino de Araújo - havia sido interditada, junto as barracas que integravam o espaço. Apesar do inesperado - e constrangedor - acontecimento, o povo sabugiense não deixou de fazer o arrasta pé. 
A juventude do bloco TV Rael desfilou pelas ruas, até as proximidades do Clube Municipal, onde lá realizaram a famosa e esperada quadrilha do Arraiá da TV Rael. Nesta quadrilha, todos os anos, o jumento Chá Preto, que pode ser considerado um integrante do bloco, leva os noivos da quadrilha pelas ruas; e integra a festança. Fogos, muito balancê, muita gente bonita e colorida, faz a festa. São merecedores de nossos aplausos! 
Também na noite de 19 de junho, os idosos do Grupo de Melhor Idade "Recordação do Passado", levaram beleza as ruas de São João do Sabugi. O grupo levou as ruas, em desfile, a mais tradicional quadrilha junina. Homens e mulheres, que investem num figurino tradicional, dançam conforme as festividades juninas de outrora, com coreografias que contam nos passos e no balanço das saias rodadas, a história, mais que centenária, do São João em São João. Devido a impossibilidade de se apresentarem no Espaço de Eventos, o grupo fez a festa no Clube Municipal. Parabéns aos participantes e idealizadores!

Anna Jailma - jornalista e blogueira
Fotos - Ramon Mariz

Cavalgada de São João Batista 2012





Nestes 180 anos de São João em São João, a Cavalgada que homenageia o santo padroeiro, contou com um maior número de cavaleiros. Idosos, jovens e crianças integraram a cavalgada, e emocionaram as pessoas que se aglomeraram pelas ruas. 
Ao som do berrante, a Cavalgada, que veio da Comunidade Cachos, seguiu da ponte ao Cruzeiro e depois, do Cruzeiro ao Espaço de Eventos; onde houve celebração da Missa do Agricultor e em seguida, o almoço e forró do agricultor, promovidos pela Secretaria Municipal de Trabalho, Habitação e Assistência Social.
Dia do Agricultor, dia 18 de junho, foi dia e tarde de muita festa para todo povo sabugiense que celebra suas raízes, vindas do campo. Como disse o escritor Euclides da Cunha: "o sertanejo é, antes de tudo, um forte".

Anna Jailma - jornalista e blogueira
Fotos - Blog da Paróquia de São João Batista

Festejos Juninos 2012 - Momentos de Fé!











Desde 14 de junho que a Igreja Matriz de São João Batista, em São João do Sabugi, RN, celebra o novenário do santo padroeiro; reunindo fiéis, recebendo seus filhos que residem distante e também os que permanecem nesta terra. A Igreja Matriz é templo de oração e de reencontro entre seus filhos.
Sacerdotes da Diocese de Caicó, RN, e o Bispo de Guarabira PB, Dom Lucena, estão integrando as celebrações, junto ao pároco Joaquim Oliveira e Monsenhor João Agripino. Na noite de hoje, a Paróquia recebe Pe. Célio, pároco de Equador RN.
Hoje iniciamos o tríduo do novenário, que culmina no próximo sábado, noite 23. A partir de hoje, o povo sabugiense acorda com a alvorada da Filarmônica Honório Maciel, que leva os acordes aos recantos da cidade, passando pelas ruas principais da cidade; indo até a Igreja Matriz. Ao meio-dia também acontece a tradicional "Salva".
No domingo, é o momento maior: Missa Solene, Almoço de São João Batista e Procissão de Encerramento das festividades. O encerramento de mais um São João em São João tem gosto de saudade; mas, também tem o sentimento de mais um ano de missão cumprida; nestes 180 anos de fé!
Ressaltamos que a Paróquia de São João Batista, através do blog www.paroquiasjs.blogspot.com, está transmitindo as novenas de São João Batista, ao vivo. Você que está distante, acompanhe, e celebre conosco.

Anna Jailma - jornalista e blogueira
Fotos - Blog da Paróquia


quarta-feira, 13 de junho de 2012

Xique-Xique é sucesso onde passa



 O Forró Xique-Xique, de São João do Sabugi, RN, é forró autêntico do nosso sertão. E deixa a marca do sucesso e da boa qualidade por onde passa. A Rádio Rural 95 FM abriu espaço nesta quarta-feira, para o Forró Xique-Xique, no Programa Manhã 95, apresentado por Yanni Danielly. O resultado não podia ser outro: muitas ligações, audiência lá em cima e muitos elogios, merecidos, ao forró pé-de-serra!
Na programação cultural do SESC Seridó, integrando o Projeto Letra & Música, em Caicó, é destaque a participação do Forró Xique-Xique, dia 22 deste mês. A festança acontece das 19h às 21h45, com entrada gratuita. Vamos prestigiar. É forró do bom! 

Anna Jailma - jornalista e blogueira
Foto: divulgação do SESC Seridó



segunda-feira, 11 de junho de 2012

São João em São João: 180 anos de festa



 Festa de São João Batista, em São João do Sabugi RN: 180 anos de fé



De 01 à 13 de junho: Pelas ruas de São João do Sabugi, RN, até 13 de junho, é período de animadas novenas pelas residências. As novenas contam com participação de todos os sabugienses. A rua onde acontece a novena fica lotada, decorada com bandeirinhas e balões. Nas calçadas um verdadeiro banquete junino, para realização de quermesse e depois da novena acontece animado leilão. E como é bom o leilão! Interessante que quem leiloa sabe o nome de todo mundo – afinal, estamos na terra da gente – e faz aquela brincadeira na disputa dos preços.
As famílias se integram, todos participam, colaboram com a quermesse vendendo pamonha, canjica, creme de galinha, panqueca, lazanha, tortas, docinhos e mais um monte de pratos da culinária mais gostosa.

14 à 24 de junho

14 de junho - Na noite de 14 de junho, as 19h, acontece procissão, hasteamento da bandeira e celebração da Missa na Igreja Matriz, dando início oficial à Festa de São João Batista.

De 15 a 23 de junho, são celebradas as Novenas de São João Batista na Igreja Matriz, sempre as 19h.   

24 de junho:
10h: Missa Solene presidida pelo Exmo. Revmo. Dom Frei Manoel Delson, Bispo Diocesano de Caicó.
17h: Procissão de encerramento, bênção do Santíssimo Sacramento e palavras de agradecimento.

Parte Social

De 14 a 20 de junho, acontecem quermesses ao lado da Igreja Matriz, com venda de comidas típicas e outros pratos.

16 de junho: 
17h: Quadrilha pelas ruas da cidade, com os integrantes do Bloco Primatas. Saída do Cruzeiro às 17h, e quem quiser participar contribui com o valor de 3 reais.
20h30 - XIII – Jantar de São João Batista ao lado da Igreja matriz.
23h: Festa do Reencontro no Clube Municipal com Banda “ALTAS HORAS e Dida"

17 de junho:
21h: Concurso de Poesia, no Espaço de Eventos da Praça Antônio Quintino de Araújo. Haverá divulgação e premiação dos classificados no concurso deste ano, que teve como tema "180 anos de São João".
São duas categorias: Popular e Moderna. Os concorrentes fizeram inscrição até 15 de junho e tiveram suas poesias avaliadas; conforme a categoria em que se inscreveu. Hoje acontece a divulgação e premiação dos três primeiros classificados, em cada categoria. A premiação será em dinheiro e troféus.
Este é um evento tradicional dos festejos juninos em São João do Sabugi; valorizando e divulgando a cultura, dentro das festividades do padroeiro.

18 de junho:
Cavalgada pela manhã, saindo da Comunidade Cachos. É um dos momentos mais emocionantes dos festejos juninos. Homens, mulheres, crianças e idosos, com seus cavalos, burros, carroças coloridas, fazem uma belíssima cavalgada pelas ruas ao som do berrante.

19 de junho:
19h30: Na noite de 19 de junho, as ruas de São João do Sabugi vão ser palco para a animada quadrilha do bloco carnavalesco TV Rael. A quadrilha vai sair do bangalô as 19h30 desfilando pelas ruas da cidade, com os integrantes vestidos com traje matuto e mesmo quem não é do bloco, pode participar. Acompanhando a quadrilha, à frente do desfile, vai estar 'Chá Preto'; um jumento que já integra o "Arraiá da TV Rael" desde os primeiros eventos.
A quadrilha sai do bangalô e segue até a sede do bloco TV Rael, onde acontece a quadrilha com casamento matuto e quebra panela. Da sede do bloco, os participantes saem até a praça pública; onde a quadrilha será concluída, seguida de forró pé-de-serra com o Forró Xique-Xique. Para participar da quadrilha, o casal paga 5 reais, mas a festança é grátis, aberta ao público.
É uma exigência dos organizadores que os participantes estejam de traje matuto, pois o objetivo é realizar uma quadrilha tradicional.
Este é um evento tipicamente junino e sem dúvida, merece o aplauso de quem valoriza nossa cultura. Parabéns aos organizadores.

20h: Também na noite desta terça-feira, acontece a tradicional Quadrilha da Melhor Idade, com o grupo dos idosos dançando quadrilha pela Avenida Honório Maciel. O grupo sai em desfile, ao som do forró pé-de-serra, do Cruzeiro ao Espaço de Eventos da Praça Antônio Quintino de Araújo. Na praça acontece apresentação da quadrilha tradicional. É uma das quadrilhas mais bem apresentadas do nosso São João em São João.

20 de junho:
20h30: Quadrilha estilizada com adolescentes do município, que neste ano homenageia os 180 anos de São João em São João e o centenário do rei do baião, Luiz Gonzaga. Será uma belíssima apresentação, com coreografia, música e poesia, alusivas a estas comemorações.

21 de junho: 
Acontece na noite do dia 21, a escolha da Rainha da Festa. Este é um dos eventos tradicionais dos festejos juninos, que leva história e beleza ao Espaço de Eventos da Praça Antônio Quintino de Araújo. Princesas da terra concorrem ao título de Rainha.

24 de junho:
12h – XXII Almoço de São João Batista no Espaço de Eventos Manoel Leandro.
13h – Leilão da Festa no Espaço Cultural  “Manoel Leandro de Araújo”.


 Lembrete

Peço que, quem estiver realizando algum evento junino, até 24 de junho, entre em contato com este blog – seja deixando recado aqui, ou no meu Orkut ou ainda no Facebook – para que possamos divulgar uma programação completa; onde todos os eventos possam ser divulgados; para todos ficarem cientes.
A divulgação completa dos festejos inclui programação da Igreja Matriz, programação dos eventos realizados pela Prefeitura Municipal, programação dos blocos que levam as quadrilhas para as ruas e tantos outros eventos que acontecem. As vezes quem mora fora de São João do Sabugi, ( até mesmo em Caicó, Ipueira, Patos e outras cidades vizinhas) deixa de participar porque simplesmente não tinha conhecimento do evento. Devemos divulgar nossa festa, também para quem está fora de São João do Sabugi. Temos sabugienses e pessoas que gostam de São João em toda parte, em cidades distantes e em cidades vizinhas também. Mas estas pessoas precisam tomar conhecimento da programação dos festejos, para se organizarem – até porque muitos trabalham nesta época – e participarem. Isto é globalizar, levar o nome de São João do Sabugi a todos os recantos e levar de uma forma positiva; com uma programação bonita e organizada.
Agradeço a todos que colaborarem comunicando seus eventos. 


Anna Jailma - jornalista e blogueira

quarta-feira, 6 de junho de 2012

CEJA, um reflexo dos “50 anos em 5”

Centro Educacional José Augusto - CEJA de Caicó RN

O lema “50 anos em 5”, do governo do presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, de 1956 a 1961, provocou um clima de progresso em todo o país, baseado no plano de metas do governo federal, e refletiu no Rio Grande do Norte, precisamente no âmbito da Educação.
Em 04 de abril de 1960, sob decreto de lei nº 2.639, foi fundado em Caicó, o Instituto de Educação, hoje Centro Educacional José Augusto, CEJA, com funcionamento de todas as dependências do prédio, que já correspondia exatamente a estrutura atual, sem reduções ou acréscimos na sua arquitetura. O CEJA, desde sua edificação foi formado por 88 dependências, incluindo 31 salas de aula, 28 banheiros e Quadra de Esportes.
Na época, Dinarte de Medeiros Mariz era governador do Estado e o secretário de Educação do Estado era Tarcísio Maia. Além de Caicó, a cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte, também foi beneficiada com escola do mesmo porte, a Escola Estadual Jerônimo Rosado.
A edificação do Instituto de Educação, em Caicó, iniciou em junho de 1957, sendo concluída em 1960, impressionando pela sua arquitetura contemporânea, com grande número de dependências, rampas e corredores. Desde a inauguração, todas as salas de aula funcionaram, oferecendo ensino de Jardim da Infância, Escola de Aplicação, Curso Ginasial, Curso Científico e Curso Pedagógico; que formava professores. Era a junção do desejo de aprendizagem do povo seridoense com o pensamento futurista do presidente Juscelino Kubitschek. Referente a planta de edificação do CEJA, há divergências: alguns professores defendem ser planta de Oscar Niemayer, mesmo arquiteto de Brasília, DF, que atendendo pedido do senador Dinarte Mariz, teria feito a planta do colégio. Porém, outros professores e estudiosos afirmam que trata-se de projeto arquitetônico de Moacir Gomes, arquiteto do Machadão, estádio de futebol de Natal, RN.
O primeiro diretor do Instituto de Educação foi o professor José Celestino Galvão, contando com professores determinados pela Secretaria Estadual de Educação. No decorrer dos anos, foram diretores daquele estabelecimento educacional: Prof. José Celestino Galvão, Dr.Gentil Homem Filho, Pe. José Mário de Medeiros, Cícero Gomes de Faria, Oriel Segundo de Oliveira, Geraldo Soares Wanderley, Iran Ovídio de Medeiros, Luiz de França Sobrinho e Pe. José Tadeu de Araújo, que atualmente é diretor do CEJA, sendo esta a sua segunda gestão na administração do referido colégio.
A partir de 1975, o Instituto de Educação passou a Centro Educacional José Augusto – CEJA, ocorrendo junto a esta alteração, uma mudança na denominação dos níveis de ensino: Pré-escolar, 1º grau e 2º grau, tendo no 2º grau, as opções de Técnico em Contabilidade, Auxiliar de Escritório, Auxiliar Executivo e Administração. O antigo Curso Pedagógico, para formação de professores, passou a chamar-se Magistério e a Escola de Aplicação, que funcionava como laboratório para os professores recém-formados no Pedagógico, passou a 1º grau menor, deixando o caráter de escola laboratório.
Novas diretrizes do ensino foram determinadas, inserindo novas alterações, nos anos de 1996 e 1997, passando a Ensino Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos. Diante disso, o CEJA passou a oferecer o Ensino Fundamental e Ensino Médio, contando atualmente com matrícula de aproximadamente 2 mil alunos, distribuídos em três turnos.
Sendo reconhecida como maior escola pública da região Seridó, o CEJA tem como complementos do ensino, a TV Escola, biblioteca, sala de leitura, brinquedoteca, oficinas produtivas, e laboratórios.
Sr. Teódulo: "O CEJA é tudo."
Na sua história, o CEJA tem um companheiro de viagem no decorrer das décadas. Trata-se do Sr. Teódulo Félix da Silva, de 78 anos de idade e 50 anos de trabalho dedicado ao CEJA. O Sr. Teódulo, natural de Acari, RN, veio para Caicó ainda em 1957, casado, pai de três filhos, para morar dentro da obra, acompanhando a construção daquele estabelecimento de ensino desde os primeiros alicerces. Ele relata que tinha como companheiro de trabalho, o Sr. Odilon Salvino, pai de Monsenhor Antenor Salvino de Araújo. “Eu vim como vigia, trabalhava com o Sr. Odilon Salvino. Ele ficava na parte de receber o material e eu sempre observando os trabalhadores. Eu conhecia a planta da obra, sabia decorado, era tudo tão bonito... Quando os técnicos vieram montar os móveis, vieram dois portugueses. Eles eram inteligentes, gostavam de conversar, mas na montagem de biblioteca, da sala de professor, daquelas salas todas, eles erravam muito e eu orientava”, comenta sorrindo, na sua simplicidade.
Segundo Sr. Teódulo, durante a construção, o governador Dinarte Mariz costumava visitar a obra e muitas pessoas da comunidade, visitavam a construção, curiosos pela sua grandiosidade. “Todo sábado a gente recebia o dinheiro na Casa de Construção, sem atrasos. O governador da época era Dinarte Mariz que sempre visitava a obra e era muito entusiasmado com a construção. As pessoas vinham olhar, se admiravam com a estrutura da construção e pensavam que era um sindicato, faziam muitas perguntas. Eu explicava que era para a Educação e alguns até duvidavam”, diz ele.
Relembrando a inauguração, ele destaca a presença de professores da época e o entusiasmo dos estudantes, que chegavam de toda parte do Seridó. “Foi uma coisa muito bonita em Caicó, porque era a abertura de um colégio público, para todos. Lembro-me de alguns presentes como Dr. João Medeiros, Dr. Araújo, Dr. Milton Marinho, que era o prefeito de Caicó, na época, e as professoras D. Myrtila e D. Iracema Trindade. A escola já começou com aproximadamente 2 mil alunos. Nesse tempo era Jardim da Infância, Escola de Aplicação, Escola Normal que chamavam também de Pedagógico, o Curso Ginasial e oficinas de arte. Cada setor desses tinha um diretor e havia o diretor geral que era o Pe. Galvão. Funcionou tudo num só dia. Foi a coisa mais interessante do mundo, uma beleza. Chegava ônibus das cidades vizinhas com seus estudantes, todo mundo muito interessado em estudar. Acho que hoje o povo estuda menos. Os alunos deixam de estudar até para brincarem com o celular. É um desenvolvimento que a gente tem medo”, comenta Sr. Teódulo.
Ele ainda acrescenta que as festas na Quadra de Esportes do CEJA, trouxeram a Caicó, vários artistas famosos nos anos dourados: “Havia muitas festas, com artistas cantando nessa quadra, como teve Adilson Ramos, Altemar Dutra e outros”.
Na época da entrevista, em 2007, o Sr. Teódulo contava com 78 anos e quando foi indagado sobre o significado do CEJA na sua vida, ele foi objetivo: “O CEJA é tudo”.


P.S Esta matéria, foi realizada em maio de 2007. O Sr. Teódulo conta hoje com 83 anos e entre os diretores do CEJA, certamente há mais nomes para citar ( fico devendo). Atualmente o diretor do CEJA é Roberto Sérgio. 
Fica aqui registrado o muitíssimo obrigada, a professora Ana Maria Dantas de Medeiros, autora da monografia “Memórias de uma Instituição – A trajetória do CEJA à luz das práticas de seus educadores”e ao Sr. Teódulo Félix da Silva, que me recebeu no CEJA, em maio de 2007, me dando importantes declarações para este trabalho.

Anna Jailma - jornalista e blogueira

Rede Globo mostra caos da saúde pública em Caicó RN

Ontem, dia 05 de junho/2012, o Profissão Repórter da Rede Globo, mostrou o caos da saúde pública no interior do Maranhão, Rondônia e Rio Grande do Norte. Os repórteres Paula Akemi, Eliane Scardovelli e Rafael Batista viajaram pelo Rio Grande do Norte e mostraram até a transferência de uma criança, de Pau dos Ferros, RN, para Natal, capital do Estado. 
Em Pau dos Ferros, RN, é a família do paciente que compra medicamentos e paga pela enfermeira que acompanha o paciente na ambulância. Depois de 5 horas de viagem, em ambulância com pouca ventilação e sem a completa assistência, chegaram na capital. Caicó mostrou a situação do Hospital Regional, chegando várias pessoas para atendimento de emergência (inclusive acidentados), com somente um médico de plantão para atender. Naquele dia Dr. Irami Araújo, enfrentando e vencendo as próprias limitações, atendeu 200 pessoas no Hospital Regional. Sem dúvida é um herói. Enquanto muitos médicos - principalmente em PSF - até se irritam quando as fichas ultrapassam o número de 25 ou 30 fichas, Dr. Irami atende 200 pessoas no Hospital Regional.
Por que somente um médico de plantão num Hospital considerado de referência?! Como um hospital que atende Caicó e cidades de todo Seridó pode ter uma UTI incompleta, onde um aparelho não funciona por falta de uma pequena peça que custa 9 reais? Que caos é este? Afinal, temos SUS ou SUSTO neste país? Estão brincando com a vida das pessoas e é preciso dar um basta nisso.
No Maranhão, há um contraste: em alguns lugares do interior, os hospitais têm mais funcionários que pacientes. São hospitais recém-inaugurados. Em outros lugares, hospitais lotados, onde até uma garrafa pet de Coca Cola é mostrada substituindo material do hospital, em atendimento numa enfermaria. 
O repórter Thiago Jock retrata a situação dos doentes de câncer de Rondônia que viajam 3 mil quilômetros até Barretos, no interior de São Paulo, para se tratar. Na cidade há um bairro inteiro, cheio de pousadas, apenas para receber esses pacientes que vem de regiões distantes do Brasil. 
Para assistir acesse www.g1.globo.com e busque Profissão Repórter. 

Anna Jailma - jornalista e blogueira

terça-feira, 5 de junho de 2012

Poesia

A DIVINA SERRA

Davi Cândido, 15 anos.

Só pode ter sido Deus
O arquiteto da serra,
Pois Deus é um construtor
Que em suas obras não erra
Na região não tem igual
Pois é uma obra natural
E uma beleza da terra.

Nesta construção divina
São Pedro foi o pedreiro
Santo Antonio foi ajudante
São Jose carpinteiro
Todos três abriram mão
E doaram pra são João
A serra, pro padroeiro.

A serra do Mulungu
Tem um M de fachada,
Pra subir os seus andares
Não precisa ter escada.
Não há elevador que ajude
Por isso que a juventude
Só vive de escalada.

Lá no cruzeiro da serra
Se fazia procissão,
No tempo que os peregrinos
Seguiam Frei Damião,
A subida vale apena
Porque ele é a antena
Para o monte de oração.

Não digo por heresia
Mas tenho a convicção,
É um lar de fauna e flora
De muita preservação,
Por isso que seu artista
Presenteou João Batista
Com a serra de São João.


Do blog: A poesia de Davi Cândido, adolescente de 15 anos, que nasceu e cresceu em São João do Sabugi, RN, retrata muito bem o sentimento que o povo sabugiense tem pela Serra do Mulungu: nos remete a nossa fé, pelas histórias de peregrinação até o Cruzeiro da Serra; representa um lar de fauna e flora, por erguer nossa caatinga ao alcance de todos os olhares;  é também um desafio para a juventude, que vê na sua escalada uma aventura, uma lembrança pra vida toda; e sem dúvida, é um presente de Deus, que embeleza nossa terra e traz inspiração aos poetas e contadores de histórias, com suas lendas. 
E isso não é bairrismo, isto é "amor pela terra". Se ao ouvirmos uma música, lembramos de alguém que gostamos, ou de um momento especial, assim também é, com o que lembra a nossa terra de origem: os cariocas amam Copacabana; os paulistas amam a Avenida Paulista; os caicoenses amam o Arco do Triunfo; o povo de Carnaúba dos Dantas, o Monte do Galo; os natalenses, o Morro do Careca...Nós, sabugienses, amamos a Serra do Mulungu. Simples assim.

Anna Jailma - jornalista e blogueira.

Escola comemora Dia do Meio Ambiente com ações de cidadania


A Escola Estadual Santa Terezinha, em São João do Sabugi, RN, realizou hoje, Dia do Meio Ambiente, uma ampla programação alusiva a data. Logo as 7h, a diretora Claudete Medeiros deu as boas-vindas aos funcionários, pais de alunos e estudantes da escola; ressaltando a importância da preservação do meio ambiente e a responsabilidade de cada um em colaborar para isso.
A Escola já vinha trabalhando o tema do Meio Ambiente com seus alunos, confeccionando material para esta data especial. O objetivo é sensibilizar as pessoas sobre a preservação do meio ambiente e provocar mudanças de atitudes em relação ao ambiente escolar e ao lugar em que vivemos.
A programação contou com: plantio de uma árvore nativa na escola, limpeza da escola - e ao redor do prédio -  realizada por alunos, professores e pais; exposição de brinquedos feitos de sucata; exposição de panfletos e cartazes, com sugestões de como cuidar do meio ambiente, para colocar em locais estratégicos do bairro (supermercados, posto de saúde, comércio etc.) e passeio no bairro para fotografar pontos de agressão ao meio ambiente. Também houve entrevistas nas casas do bairro, realizadas pelos alunos; para se ter conhecimento de como as pessoas estão usando e/ou preservando os recursos naturais.
Encerrando a programação, os participantes integraram o trem ecológico, com poesias sobre o meio ambiente e houve uma animada feira da pechincha; com venda de roupas e objetos. O encerramento ocorreu com almoço na escola, as 11h. 
Parabéns a todos que fazem a Escola Estadual Santa Terezinha, em especial a diretora Claudete Medeiros. Esta Escola vem sempre inovando, em São João do Sabugi, e apresentando trabalhos relevantes para o crescimento do ser humano e da comunidade.  Isto é ir além dos muros da escola e, sobretudo, construir cidadãos de bem!

Anna Jailma - jornalista e blogueira

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Santuário do Rosário reabre após período de restauração












Na noite de ontem, houve abertura do Santuário do Rosário, em Caicó, RN, que contou com procissão e Missa de Ação de Graças, com bênção do Santuário. A Igreja de Nossa Senhora do Rosário passou por uma ampla restauração, externa e interna.
A Missa contou com o Bispo Diocesano Dom Manoel Delson, Monsenhor Edson Medeiros, Pároco da Paróquia de Sant'Ana - que integra o Santuário do Rosário, Monsenhor Ausônio Tércio, e outras autoridades eclesiásticas.
Na celebração estavam presentes os membros da Irmandade do Rosário e outras associações religiosas, inclusive, os integrantes do Terço dos Homens entraram para o Santuário e foram os responsáveis pela abertura de todas as portas da Igreja, no momento de todos os presentes entrarem no templo.
Foi uma noite abençoada, com grande participação de fiéis. O Santuário do Rosário, que já é reconhecido como um dos mais lindos templos da Diocese de Caicó, está belíssimo. Quem tiver a oportunidade de visitar Caicó, não deixe de conhecer.
Para visualização de outras fotografias, visite o site www.kurticao.com.br

Anna Jailma - jornalista e blogueira
Fotos - Site Kurtição



Coroação de Nossa Senhora contou com peça teatral, em São João do Sabugi


Companhia de Teatro Valmira Morais, que apresentou a peça na Coroação de Nossa Senhora, em São João do Sabugi RN, com organização de Katiane Silva.





                  

Em São João do Sabugi, RN, a coroação de Nossa Senhora aconteceu na Praça Antônio Quintino de Araújo, na noite de 31 de maio; reunindo um significativo número de pessoas. A imagem de Nossa Senhora das Graças estava em restauração e retornou à São João do Sabugi, no momento da coroação.
A noite foi de muita oração e emoção. Após a última novena de maio, houve homenagem a catequista Lica Mateus, com mensagem sobre sua história de vida, como catequista. A homenagem contou com apresentação, em vídeo, de várias fotografias de Lica Mateus com sacerdotes, bispo diocesano, crianças da Cruzada Eucarísticas e anjos de maio.
Também houve peça teatral, apresentada pela Companhia de Teatro Valmira Morais, sob a coordenação de Katiane Silva. A peça, que foi entregue a Companhia de Teatro pelo pároco Joaquim Oliveira, retrata a história da aparição de Nossa Senhora, na França, a Santa Catarina Labouré, em 27 de novembro de 1830. A partir desta aparição, milhões de pessoas no mundo inteiro passaram a receber graças através da Medalha Milagrosa.
Logo depois da peça, que contou com participação de crianças e adolescentes de São João do Sabugi, houve a coroação de Nossa Senhora.

Anna Jailma - jornalista e blogueira
Fotos - arquivo de Katiane Silva