segunda-feira, 25 de junho de 2012

São João em São João - 180 anos





Vivenciamos - aqui e nos lugares mais distantes - os 180 anos de São João em São João. Foram dias de reencontro, muitos risos e abraços que carregam histórias de infância, da juventude, de um passado distante ou de poucos anos atrás. Os que estão longe, mas, aqui queriam estar - como diz a música - também vivenciaram os momentos de fé, unidos conosco, através da internet.  Em cada novena, quando era citado os nomes dos sabugienses ausentes, que se faziam presentes pela internet, todos nós, presentes na Igreja Matriz, sentíamos como se aquela pessoa estivesse ali do lado; compartilhando cada momento do festejo. Isto é ser sabugiense: ter a capacidade de sentir perto, cada um dos nossos conterrâneos; porque nós somos uma só família. Independente de laços sanguíneos, o que nos une é o amor pela terra e laço de amor ultrapassa qualquer barreira, inclusive, a barreira da distância. 
As quadrilhas, das escolas e dos blocos carnavalescos, dão um toque especial nos festejos. É gostoso e puramente junino, observar os desfiles de quadrilhas em cada fim de tarde; dançando pelas ruas. Porém, se tivesse mais dança e menos correria, seria ainda mais bonito.
Miss S. João do Sabugi Lídia Mara, Rainha da Festa 2012 Mirela Marques e Mister S. João do Sabugi, Natan Diniz
Não se pode deixar de destacar o empenho de quem, de alguma forma, também faz acontecer importantes eventos na festa do padroeiro, buscando apoio aqui e acolá, ou mesmo, arregaçando as mangas e fazendo arte arcando com todos os gastos: Dercílio Morais, que realizou a Caminhada dos 180 anos - Do Jardim ao Sabugi - e a Exposição na Prefeitura Municipal, intitulada de 180 anos de São João em São João; e João Quintino de Medeiros Filho, que realiza o evento de Escolha da Rainha da Festa, com apoio de sabugienses que acreditam no seu trabalho e reconhecem o valor cultural do evento.
Analisando a estrutura da festa, pode-se afirmar que a festa não contou com bandas renomadas, mas, o Forró Xique-Xique trouxe um autêntico forró pé-de-serra para a praça pública, dia 22. Na noite do dia 23, as bandas também deram destaque ao forró tradicional, mas não tivemos nas noites de festa um público numeroso; como vinha ocorrendo nos últimos anos. 
Infelizmente houve a interdição de barracas e Espaço de Eventos, que foi resolvido dentro de 24h, mas causou um mal estar entre os sabugienses e sem dúvida, ofuscou o brilho da festa, porque criou uma notícia negativa dos festejos.  Além disso, faltou uma boa divulgação, com nomes das bandas que iriam fazer a festa na praça pública e com os eventos culturais como o Concurso de Poesia, a quadrilha estilizada do PETI e a quadrilha do Grupo de Terceira Idade, que também integram os festejos há anos, sendo eventos tradicionais da festa. Sem saber sobre as bandas que iriam tocar e sabendo das notícias negativas sobre interdição e problema no palco, muitos deixaram de comparecer. Os 180 anos de São João em São João merecia mais brilho, isto é inegável.
Filarmônica Honório Maciel, desde 1926 enaltecendo os festejos


Como ocorre todos os anos, há mais de 80 anos, a Filarmônica Honório Maciel marcou os eventos religiosos, levando as ruas a tradição da música em São João do Sabugi. São os acordes da Filarmônica, que fazem a "trilha sonora" dos nossos festejos. Durante as procissões, as alvoradas e salvas, presenciamos sabugienses chorando ao ouvir a execução dos dobrados. Não é choro propriamente de tristeza, mas, sim de saudade, dos anos que se foram carregando momentos e pessoas especiais; da vida de cada um. É a emoção transbordando da alma.
Neste ano, lamentavelmente, faltou uma sintonia entre o trio, que leva o Ministério de Música na procissão de encerramento, e a Filarmônica.  Durante o percurso da procissão, a Filarmônica terminou sua participação nas proximidades do Cruzeiro, devido o "embaraço" de não saber se tocava ou se parava. Ocorria que antes do término da execução dos dobrados, se iniciava os cânticos no trio. Algo deve ser pensado para se evitar "embaraços" desse tipo, no próximo ano. É provável que se a Filarmônica ficar no ínicio da procissão e o trio no final, o impasse seja resolvido; porque um som não vai atrapalhar o outro.
Tratando-se de organização, planejamento e realização dos eventos, a Paróquia de São João Batista está de parabéns. Foi a programação da Paróquia - inclusive divulgada com antecedência - que destacou-se nestes 180 anos de São João em São João. Foram os eventos religiosos, os eventos sociais organizados pela Paróquia, a transmissão via internet, e sobretudo, a fé do povo sabugiense, que trouxe os filhos distantes; promoveu os adoráveis reencontros e, verdadeiramente, fez a Festa de São João Batista neste ano de 2012.

Anna Jailma - jornalista e blogueira
Fotos: Blog da Paróquia, Romualdo Souza, Jéssica França e Jane Marques

4 comentários:

Valter Jr disse...

Acredito Ana, que faltou exatamente este planejamento, talvez entre eu, que sou o responsável pelo Grupo de cânticos e o maestro. Nos anos anteriores sempre deu certo, este ano não deu certo, acredito que pela multidão que estava presente na procissão. A sua ideia de colocar a Filarmônica no início e o trio no final, acho que deve ser aceita. Tinha pensado em falar com o Padre para colocar a Filarmônica após o Santo, e o trio vir atrás. Se errei, peço desculpas a todos, mas não foi de má fé, nunca pensei em tirar o brilho da Filarmônica, que tanta história tem em nossa cidade. Agradeço pelo espaço e parabenizo o blog. Cordialmente, Valter Jr.

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

Valter, muito obrigada pela sua colocação. Demonstra o respeito e consideração que tem a este blog. Acredito que o ocorrido realmente tenha sido devido a falta de planejamento; já que são muitos detalhes a se planejar para os festejos e algumas coisas acabam não sendo lembradas, até porque, como você frisou, antes não tinha ocorrido dificuldades em relação a isso. O importante é que o fato sirva somente para melhorar nos próximos anos e que não fique mal estar, afinal, todos pensamos mesmo é em fazer a melhor festa, em todos os aspectos.
Atenciosamente, Anna Jailma.

João Quintino disse...

Jailma, agradeço pela menção ao evento Rainha da Festa, uma coisa que realizamos sempre com muito prazer e dedicação, tentando vencer as dificuldades e atingir um nível mínimo de qualidade, organizando-o como um acontecimento de caráter identitário. Para este ano, tínhamos planejado mais, só que nossas limitações lamentavelmente nos impediram de concretizá-las. Havia uma abertura com teatro alusivo aos 180 anos, mas não consegui articular as 30 pessoas do elenco a tempo, por causa da sobrecarga de atividades. Esperamos fazê-lo daqui até a emancipação, em 23 de dezembro. Em muitos aspectos, nossos 180 anos mereciam um São João em São João mais empolgante. não deu, paciência, ninguém morreu. Suas opiniões, como sempre, muito sensatas. Abraço!

ANNA JAILMA - annajailma@yahoo.com.br disse...

João Quintino, trabalhos como os seus em São João do Sabugi, são verdadeiras declarações de amor à terra. Parabéns sempre! E muito obrigada pela vinda ao blog. Abraço.