segunda-feira, 15 de julho de 2013

90 anos de Braz Caboclo - Homenagem


Biografia de Braz Antônio de Morais – Braz Caboclo


Por Anna Jailma


No município de Ipueira, em 10 de julho de 1923, nasceu Braz Antônio de Morais, filho de Antônio Carneiro de Morais e Maria Eulália de Medeiros. Ele próprio destaca “nasci no sítio, que hoje é Ipueira; onde era a bodega de Chico Quinino”. Braz Caboclo, como é conhecido, é o 4º filho de uma família de 08 irmãos.

Na infância, como a maioria das crianças da época, já ajudava o pai nas tarefas que contribuíam para o sustento da família. Em 1932, aos 9 anos, cuidava de porcos e do gado, no Sítio João Pinto, propriedade de Lucas Marcelino. Deste período, Braz lembra sorrindo da valente Sardinha, cadela responsável pela segurança da casa, que enfrentava até raposa, na madrugada.

Na cidade, Braz cresceu vendendo carga d’água nas residências. O olhar de menino passeava pelas ruas...o caminhar até poderia ser lento, mas, era sempre incansável. E o pensamento criava asas, voava longe... até que o suor o fazia parar e enxugar o rosto queimado pelo sol.

Antes da ida ao Exército, Braz também carregava areia e tijolo para as construções. E sobre o serviço militar, ele não pensa duas vezes ao afirmar que foi a melhor época de sua vida. Sonhava em ir a guerra, porque queria conhecer o mundo. O medo não existia. Braz diz com convicção que “quando se é jovem não se pensa em perigo”.

Não foi à guerra, mas, permaneceu no Exército de 1945 a 1946.Em 1946, esteve em Fernando de Noronha, no Segundo Batalhão 16 RI. Desta época, permanecem na memória histórias e músicas que ele canta até hoje; com o olhar distante, talvez buscando a imagem do Navio Tupiara,no mar de Fernando de Noronha, ou do avião Cruzeiro do Sul, cruzando o céu.

Antes de exercer a função de pedreiro, Braz Caboclo foi servente do primo Cordovil. Com o passar dos dias, o conhecimento foi aprimorado e Braz tornou-se referência na região. Em São João do Sabugi, RN, muitas das principais obras, tiveram Braz na construção de tijolo à tijolo: a Praça Antônio Quintino de Araújo, a Maternidade Dr. José de Medeiros Rocha, a Torre do lado Sul da Igreja de São João Batista, o Posto de Saúde – hoje, Unidade Mista de Saúde Dr. Kival Gorgônio, o Cemitério Público São Pedro, o antigo prédio da Escola Estadual Santa Terezinha e a Escola Estadual Senador José Bernardo.

Entre as diversões de Braz são citadas as cantigas de viola, que até hoje gosta de ouvir,e canta, embalando a lida diária do filho Dercílio. Tem preferência por versos bem humorados e vez ou outra,recita alguma poesia popular de poetas que admira.  Já os jogos de futebol – que perdia o passar das horas ouvindo pelo rádio – hoje assiste pela televisão, sendo torcedor do Flamengo.

Dançar sempre foi uma das suas diversões preferidas. Ele cita que dançou muito, principalmente nos forrós dos sítios, em João Pinto e Caiçaras. Mas foi em baile da casa de Zé Tiú, no Sítio Sacramento, que conheceu a moça Francisca Fernandes Medeiros de Morais, com quem casou em 02 de março de 1953, na Capela de São João Batista, aqui em São João do Sabugi, recebendo as bênçãos matrimoniais de Pe. Sinval Laurentino.Do matrimônio, foi construída a família de 11 filhos, 35 netos e 14 bisnetos.

Do alto de seus 90 anos, Braz faz questão de citar “eu fui uma das pessoas que mais trabalhou no mundo”. Com sonhos, lutas, risos, amores, suor e lágrimas, Braz Caboclo é um genuíno sertanejo, “antes de tudo um forte”, como tão bem descreveu o escritor Euclides da Cunha. E por isso, estamos aqui reunidos: para agradecer a Deus pelos seus 90 anos e parabenizá-lo pela sua história de vida.  Feliz Aniversário!

 
 

Nenhum comentário: